Ministério Profético
por T. Austin-Sparks

Capítulo 3 - Uma Voz Que Pode Ser Esquecida

"Pois os que habitam em Jerusalém, e suas autoridades, porquanto não conheceram a este Jesus, nem as vozes dos profetas que são lidos todos os sábados, condenando-O, cumprindo as profecias" (Atos 13:27).

A declaração acima, como um todo, carrega um significado que compreende muita história, porém sua implicação direta e imediata é que, se as pessoas referidas - os moradores de Jerusalém e seus governantes - tivessem se beneficiado das coisas mais familiares, teriam se comportado muito diferente do modo como se comportaram. Toda semana, sábado após sábado, estendendo-se por um grande número de anos, elas ouviram coisas lidas; porém, finalmente, por causa da falha dessas pessoas em reconhecer aquilo que estavam ouvindo, elas agiram de uma forma completamente oposta àquelas mesmas coisas, embora, sob a soberania de Deus, estivessem dando cumprimento a elas ao assim fazerem.

Seguramente esta é uma palavra de advertência. Isto representa uma terrível possibilidade - ouvir repetidamente as mesmas coisas, e não reconhecer o seu significado; comportar-se de maneira completamente contrária aos nossos próprios interesses, causando a nossa própria ruína, quando deveria ter sido de outra maneira.

O ponto é este - que há uma voz nos profetas que pode ser esquecida, um significado que pode não ser compreendido, e os resultados podem ser desastrosos para as pessoas em questão. "A voz dos profetas": isto sugere que há algo além das meras coisas que o profeta diz. Há uma 'voz'. Nós podemos ouvir um som, podemos ouvir as palavras, e, contudo não ouvir a voz; esta é algo extra à coisa dita. Esta é a declaração aqui, que semana após semana, mês após mês, ano após ano, os homens lêem os profetas audivelmente, e as pessoas que ouvem a leitura não ouvem a voz. É a voz dos profetas que precisamos ouvir.

Na medida em que você avançar através deste décimo terceiro capítulo de Atos, você será capaz de reconhecer que este pequeno fragmento está inserido num contexto muito crucial. Este capítulo, para começar com ele, marca um desenvolvimento. Lá em Antioquia estavam certos homens, incluindo Saulo, e o Espírito Santo disse: "Separai para Mim Barnabé e Saulo para a obra a que os tenho chamado". Este foi um novo desenvolvimento, um mover, algo mais abrangente, bastante significativo; porém você não termina o capítulo sem antes chegar à outra crise, que se tornou inevitável quando num certo lugar uma grande multidão se reuniu, e os Judeus, recusando ser obedientes à Palavra, provocaram um tumulto. Os apóstolos fizeram este pronunciamento: "Era necessário que a palavra de Deus fosse primeiramente anunciada a vós. Visto que a rejeitais, e não vos julgais dignos da vida eterna, eis que nos voltamos para os gentios"(v.46); e citaram um profeta (Isaías 49:6) como fonte de autoridade: "Eu te pus para luz dos gentios". Essas foram épocas na história da Igreja; e os Judeus, como um todo, foram deixados de lado, e os Gentios, de modo muito deliberado, foram trazidos à cena, exatamente devido ao seguinte: que os Judeus tinham ouvido esses profetas sábado após sábado, porém não tinham ouvido suas vozes.

Grandes coisas dependiam do ouvir a voz. Falhar em ouvir pode levar a uma perda irreparável. Coisas muito grandes em relação a Israel têm acontecido pelos séculos desde o tempo de Atos 13. Não é minha intenção dar início a questões de profecia sobre os Judeus, mas o meu ponto é este: de um lado, não foi algo pequeno falhar em ouvir as vozes dos profetas; por outro lado, você percebe que os Gentios se regozijaram. É dito: "Quando os Gentios ouviram isto, eles se alegraram e glorificaram a palavra de Deus". Bem, em ambos os lados, é algo terrível falhar em ouvir, e é algo tremendo ouvir e dar crédito. Penso que isto seja base e motivo suficientemente sério para atrair a nossa atenção.

Profetas do Velho Testamento no Novo Testamento

Vamos agora olhar mais de perto para esta questão de "as vozes dos profetas". Um fato de grande significado é o seguinte, que os profetas têm um grande espaço no Novo Testamento. Imagino se você já considerou quão grande este espaço é. Você não precisará ser lembrado de quão grandemente os Evangelhos chamam a atenção para os profetas maiores, como são chamados. "Para que se cumprisse o que foi falado pelo profeta..." - quão freqüente esta afirmação ocorre nos Evangelhos. Ela apareceu desde o nascimento do Senhor Jesus, e somente nesta relação várias vezes os profetas maiores são citados. Mas quando você sai dos Evangelhos e vai para Atos e para as Epístolas, você se move basicamente naquilo que é chamado de profetas menores - menor não porque fossem de valor menor do que os demais, mas porque o registro de seus escritos é menor. É tremendamente impressionante e significativo que esses profetas menores possam ser notados tão extensivamente no Novo Testamento; eles são citados mais de cinqüenta vezes.

Profetas, homens de visão

A partir deste significado geral, dois fatores aparecem. Um em relação aos próprios profetas: Por que têm eles um espaço tão grande no Novo Testamento? Bem, a resposta a isto será basicamente outra pergunta. O que significam profetas? Profetas são 'videntes' (I Samuel 9:9); são homens que vêem e, em vendo, desempenham o papel de olhos para o povo de Deus. São homens de visão; e seu amplo espaço no Novo Testamento certamente por essa razão indica quão tremendamente importante é a visão espiritual para o povo de Deus nesta dispensação. Naturalmente, a outra coisa é a visão em si, mas eu não estou preocupado neste momento em falar sobre o que a visão era, e é - isto, com outros aspectos, pode vir mais tarde. No momento, sinto que o Senhor está interessado no seguinte fator: a tremenda importância da visão espiritual para que o povo de Deus cumpra a sua vocação. A coisa se resolve numa questão apenas de visão para vocação, e a vocação não irá ser cumprida sem visão.

Visão Significa Propósito para a Vida

Assim, por um momento, vamos discorrer sobre o lugar da visão - e você não irá pensar que estou falando sobre "visionários'. Não, é algo específico, é a visão, algo claramente definido. Os profetas conheciam aquilo que falavam - não eram meramente idéias abstratas, mas algo muito definido. Visão é algo muito específico, algo com o qual o Senhor está interessado e que tem se tornado dominante na vida daqueles que a tem; clara, distinta, precisa; algo que os dominava de modo que todo o propósito da existência em si está inserido nela. Tais pessoas estão numa posição onde conhecem o porquê de terem uma existência; conhecem o propósito para o qual estão vivas e são capazes de dizer qual é esse propósito, e o horizonte delas está circunscrito a esta visão; elas, com toda suas vidas em todos os seus aspectos, resumem-se nesta visão, dependem dela. É o único objetivo que determina tudo para elas. Não é apenas viver nesta terra e fazer muitas coisas e ser bem sucedido de alguma forma; mas tudo nesta vida está ligado a tal visão, a qual dá o sentido para a vida.

Não é necessário levar você através da história de Israel como que dominado por essa mesma verdade. Você sabe muito bem que, quando Israel estava numa posição correta, é assim que as coisas eram: definidas, com tudo centrado num único objetivo. E, antes de prosseguirmos, vamos dizer, novamente, que todos aqueles profetas - homens que eram os olhos de Deus para o povo, que significavam o pensamento e o propósito de Deus para eles, que significavam a Divina vocação deles, a interpretação de Deus para suas próprias existências - aqueles profetas que corporificaram isso tudo são todos trazidos para a dispensação do Novo Testamento e para dentro da Igreja, com esta clara implicação, de que é desta forma que a Igreja deve ser para alcançar o seu objetivo. A Igreja é para ser aquilo que vê, que é dominado por um objetivo e uma visão específica, que sabe o porquê de existir, que não tem qualquer dúvida sobre isso, e que se posiciona em absoluta renúncia por causa dessa visão, trazendo todas as demais coisas da vida alinhadas a ela. Nossa atitude tem que ser esta, embora neste mundo tenhamos necessariamente que fazer isto ou aquilo, ganhar o nosso sustento e realizar o nosso trabalho diário, contudo há algo que governa todas as coisas: a visão Divina. Todas as coisas devem se curvar a este único objetivo Divino.

Esta é a primeira implicação sobre o fato de os profetas terem tal ampla posição nesta dispensação. Nós não podemos agora seguir isto em detalhe a partir da Palavra, mas seria de muita valia percorrer todo o Novo Testamento, e ver como a inserção dos profetas é feita para aplicar aos aspectos variados da vida da Igreja. É muito impressionante.

Ministério

Visão, Um Fator Unificador

Os profetas dominam esta dispensação desta maneira. A visão era a própria união e força de Israel. Quando a visão estava clara para eles, quando seus olhos eram abertos e eles enxergavam, quando estavam alinhados ao propósito de Deus, quando eram governados por aquele objetivo para o qual Deus os tinha chamado, eles eram um só povo, tornados um pela visão. Eles tinham um olho só. Aquela pequena frase, "Se... os teus olhos forem simples..." (Mateus 6:22), possui muito mais significado dentro de si do que reconhecemos. Um olho simples - unifica e dirige toda uma vida; um olho simples unifica todo o seu comportamento. Se você for um homem ou uma mulher de uma só idéia, todas as coisas irão ser trazidas para dentro dessa idéia. Naturalmente, isto nem sempre é uma coisa favorável, embora o seja neste caso. As pessoas que são obcecadas e, como dizemos, 'têm uma abelha em seu chapéu' (têm uma idéia fixa), sem nada mais para conversar, mas apenas uma só coisa, geralmente são pessoas bastante irritantes. Mas existe o lado certo, o lado Divino, no qual o povo de Deus deve ser um povo de um olho simples, de uma única idéia; e esta simplicidade de olhos deixa todas as faculdades em coordenação.

Durante os raros períodos quando Israel estava desta maneira, eles eram um povo maravilhosamente unificado. Por outro lado, você pode ver como, quando a visão esvaecia e falhava, eles se desintegravam, tornavam-se um povo de interesses divididos e desintegrados, que brigavam entre si. Quão verdadeira é a palavra: "Onde não há visão, o povo perece (se desintegra)" (Provérbios 29:18). E assim era com Israel. Veja-os nos dias de Eli, quando não havia visão aberta. Que povo desunido, desintegrado eles eram! Isto aconteceu muitas vezes. A visão era um poder solidificador e coesivo, que tornava as pessoas um, e nesta unidade estava a força deles, e eles eram irresistíveis. Veja-os no Jordão na derrubada de Jericó! Veja-os avançando triunfantemente! Enquanto eram governados por um único objetivo, ninguém os podia resistir. A força deles estava na unidade, e a unidade deles estava na visão que tinham. O inimigo sabe o que está fazendo ao destruir e confundir a visão: ele está dividindo o povo de Deus.

Visão, Um Poder Defensivo

Que poder defensivo é uma visão como esta! Que pouca chance o inimigo tem quando somos um povo firmado numa única coisa! Se tivermos todos os tipos de interesses pessoais, o inimigo pode fazer uma terrível devastação. Ele não tem chance quando todos estão centrados num único objetivo Divino. Ele precisa nos dividir de alguma forma, distrair-nos, desintegrar-nos, para que possa realizar sua obra de ocultar o propósito de Deus. Todos aqueles aspectos de auto-piedade, interesse próprio, que sempre estão procurando entrar e arruinar, jamais irão conseguir entrar enquanto a visão for clara e estivermos focados nela como um só povo. Ela é tremendamente defensiva. O apóstolo falou sobre ser "diligente em tudo; fervoroso no espírito; servindo o Senhor" (Romanos 12:11). Moffatt traduz "fervoroso no espírito" como "mantendo o ardor espiritual". Estar centrado num único objetivo de todo o coração é uma coisa maravilhosamente protetora. Tal condição em um povo fecha as brechas e resiste à invasão e influência de todos os tipos de coisas que poderiam distrair e paralisar.

Visão Causa Determinação e Crescimento

A visão era como uma chama para os profetas. Você tem que reconhecer isto sobre eles, de qualquer maneira - que esses homens eram chamas de fogo. Não havia nada neutro neles; eram agressivos, jamais passivos. A visão tem este efeito. Se você realmente tem enxergado o que o Senhor procura, você não consegue ficar indiferente. Você não consegue ser passivo quando enxerga. Encontre uma pessoa que enxergou, e você irá achar uma vida positiva. Encontre uma pessoa que não enxerga, que não está seguro, que não é claro, e você têm alguém neutro, negativo, que não vale a pena ser considerado. Os profetas eram homens como chamas de fogo, porque eles enxergavam. E quando Israel estava no exercício do chamado Divino, ele era dessa maneira - confiante, agressivo. Quando a visão murchava, Israel chegava a uma paralisia, voltava-se para si mesmo, ia ao derredor e andava em círculos, não chegava a lugar algum.

Essa agressividade, positividade, que é fruto do ter visto, concede ao Senhor o terreno que Ele precisa para um tipo correto de treinamento e disciplina. Não significa que jamais iremos cometer erros. "O que fazes aí, Elias?" (I Reis 19:9). 'Você não tem nada para fazer aí' - é o sentido. Sim, os profetas e os apóstolos podiam cometer enganos, e eles cometiam; mas há o seguinte - porque eles enxergavam, e estavam completamente entregues aquilo que eles tinham visto a respeito do propósito do Senhor, o Senhor era absolutamente capaz de chegar a seus erros e, soberanamente, anulá-los e ensinar a Seus servos algo mais sobre Si mesmo e sobre Seus caminhos.

Agora, você jamais encontra isto em pessoas indefinidas. O povo indefinido, que não fala sério, que não abraça a causa, jamais aprende alguma coisa do Senhor. São as pessoas que se entregam, que se lançam na direção de qualquer medida de luz que o Senhor lhes dá, que, por um lado, têm seus erros - os erros de seus próprios zelos - corrigidos pela soberania Divina; e, por outro lado, são ensinados pelo Senhor através de seus próprios erros sobre quais são os pensamentos de Deus, como Ele faz as coisas, e como Ele não faz. Se ficarmos esperando em indefinição e em incerteza e não fizermos nada até que saibamos tudo, não iremos aprender nada.

Você não percebeu que são os homens e mulheres cujos corações estão abrasados por Deus, que têm enxergado algo verdadeiramente da parte do Senhor e que têm sido fortemente dominados por aquilo que têm enxergado, que estão aprendendo? O Senhor os está ensinando; Ele não permite que seus erros graves os traguem em destruição. Ele soberanamente corrige, e durante a longa carreira eles são capazes de dizer: 'Bem, cometi alguns erros terríveis, mas o Senhor maravilhosamente cuidou deles e fez com que cooperassem para o bem'. Ser desta maneira, com uma visão que resume toda nossa vida e que nos domina, fornece ao Senhor uma condição favorável para Ele cuidar de nós, mesmo quando erramos - porque os Seus interesses estão em jogo, os Seus interesses e não os nossos estão em primeiro lugar em nosso coração. Os profetas e os apóstolos aprenderam a conhecer o Senhor de maravilhosas maneiras por meio de seus próprios erros, pois os erros deles advinham não da teimosia de suas próprias vontades, mas de uma paixão por Deus e por aquilo que Ele lhes tinha mostrado como Seu propósito.

Visão Dá Superioridade ao Povo de Deus

E, então, observe que a própria superioridade de Israel estava baseada na visão. Eles foram chamados por Deus para ser um povo superior, acima de todos os povos da terra, colocado no meio das nações como um vaso espiritualmente governamental. O Senhor prometeu que nenhuma nação seria capaz de assumir o controle sobre eles. Seu pensamento para eles era que eles fossem "cabeça, e não cauda" (Deuteronômio 28:13). Mas isto não iria acontecer de forma arbitrária e independente da situação e condição deles. Era quando eles tinham a visão clara diante deles, corporativamente, como um povo inteiro - dominado, governado e unificado pela visão - só então eles eram cabeça e não cauda, era então que ficavam em posição de domínio.

E isto traz os profetas novamente. (Pensamos agora dos últimos profetas de Israel.) Por que os profetas? Porque Israel tinha perdido sua posição. A Assíria, Babilônia e o resto estavam assumindo o domínio sobre eles porque eles tinham perdido a visão. É nos profetas menores, como são chamados, que você tem bastante coisa sobre esta questão. "Meu povo está sendo destruído porque lhe falta conhecimento" (Oséias 4:6). Esta é uma nota a qual todos os profetas estão ligados. Por que este estado de coisas? Por que Israel está agora em desvantagem em relação às nações? A resposta é - perda de visão. O profeta vem para tentar levar Israel de volta ao lugar de visão. O profeta tem a visão, ele é o olho do povo: ele chama o povo de volta para aquilo para o qual Deus o escolhera, para mostrar novamente porque Ele tirara Israel dentre as nações.

A Visão é Necessária Para Todo Filho de Deus

Tudo isto é apenas uma ênfase sobre o lugar de visão. Pode não levar você muito longe; você pode se perguntar a que leva tudo isto. Você está dizendo agora: 'Bem, o que é a visão?' Este não é o ponto no momento; isto pode vir depois. O ponto é que esta é a necessidade, a absoluta necessidade para a Igreja hoje - para você, para mim; e me deixe dizer logo que, embora a visão seja algo preeminentemente corporativo, ela deve também ser pessoal. Você e eu individualmente devemos estar no lugar onde possamos dizer: 'Eu tenho enxergado, eu sei o que Deus quer!'

Se nos perguntassem: por que a Igreja está desse jeito hoje, em tão larga medida de impotência e desintegração, e o que é preciso para produzir um impacto do céu por meio da Igreja, poderíamos responder? É uma presunção afirmar ser capaz de fazer isto? Os profetas sabiam; e lembre-se de que os profetas, fossem do Velho Testamento ou do Novo Testamento, não eram nenhuma classe isolada de pessoas, não eram nenhum corpo separado, que retinham a visão em si mesmo oficialmente. Eles eram os próprios olhos do corpo. Eram, no pensamento de Deus, o povo de Deus. Você conhece este princípio; isto é visto, por exemplo, na questão do Sumo Sacerdote. Deus olha para o Sumo Sacerdote como sendo Israel, e lida com todo o Israel em igualdade de condição na pessoa do Sumo Sacerdote, seja ele bom ou mal. Se o Sumo Sacerdote é mal - "E me mostrou Josué o sumo sacerdote... vestido com roupas sujas" (Zacarias 3:1-5) - este é Israel. Deus lida com Israel como um só homem.

O profeta é a mesma coisa; e isto é porque o profeta está muito interligado com a própria condição e vida do povo. Ouça o profeta Daniel orando. Pessoalmente ele não era culpado; pessoalmente ele não tinha pecado como a nação; mas ele tomou tudo sobre si mesmo e falou como se fosse sua responsabilidade, como se ele fosse o principal dos pecadores. Há uma união tal entre os profetas e o povo em condição, em experiência, em sofrimento, que eles jamais podem ver a si mesmos como oficiais separados de todo o resto, como se estivesse falando do lado de fora; eles estavam dentro da situação.

Minha mensagem é esta, que não é para termos a visão trazida a nós por meio de uma classe chamada de ministros, profetas e apóstolos. Eles estão aqui apenas para nos mantermos alertas quanto ao que devemos ser diante de Deus, como devemos ser. Deve ser, portanto, com cada um de nós individualmente, que estejamos no significado deste ministério profético. A Igreja é chamada para ser um profeta para as nações. Gostaria de repetir minha pergunta - é uma pergunta admissível sem qualquer presunção - poderia você dizer o que é necessário para a Igreja hoje? Poderia você interpretar o estado das coisas, e explicar verdadeiramente por aquilo que o Senhor lhe mostrou em seu próprio coração? Eu sei os riscos e perigos que podem rodear tal idéia, mas esta é a própria razão de nossa existência. Será num grau maior ou menor em cada um de nós, mas, seja mais, ou seja menos, nós temos a chave para a situação. Deus precisa de um povo assim. Pode ser individual.

Visão Requer Coragem

Porém, lembre-se de que isto irá requerer uma coragem imensa. Oh, que coragem daqueles profetas! - coragem contra a concessão e política. Oh, os efeitos catastróficos da política, de considerações secundárias! 'Como isto irá afetar nossas oportunidades se formos muito definidos? Não irá diminuir nossas oportunidades de servir o Senhor se tomarmos tal posição?' Isto é política, e é uma coisa terrível. Muitos homens que enxergaram algo, e começaram a falar sobre aquilo que viram, encontraram uma reação tal de seus próprios irmãos e entre aqueles onde sua responsabilidade repousava, que recuaram. 'É perigoso levar isto para mais longe'. Política! Não, não havia nada disso nos profetas. Estamos nós comprometidos porque temos visto?

Haverá custo; poderemos enfrentá-lo. Há um pequeno fragmento em Hebreus 9 - "Eles foram serrados ao meio". Uma tradição diz que isto se aplicou ao profeta Isaías - que ele foi um dos que foram serrados ao meio. Leia Isaías 53. Não há nada mais sublime em toda a literatura da Bíblia, e por aquilo ele foi serrado ao meio. Estava ele certo? Bem, nós hoje nos beneficiamos de sua retidão. Mas o maligno não gosta disso, e por isso ele foi serrado ao meio. Há valores tremendos associados ao ver, e a total entrega à visão, mas também há muito custo.

Vamos parar por aqui, por ora; mas precisamos interagir com o Senhor e dizer: 'Quanto tenho eu visto? Tenho ouvido os profetas semana após semana, após todas as convenções, as conferências, os encontros que tenho participado, será que tenho eu ouvido a voz dos profetas, afinal de contas? Tenho ouvidos os pregadores darem suas mensagens e seus sermões; tenho eu ouvido a voz?' O efeito terá influência muito grande, caso positivo. Caso negativo, é tempo de consultarmos o Senhor a esse respeito. Isto não pode continuar! O que aconteceu em Atos 13? Ouvindo eles não escutavam; mas onde havia um ouvido, oh, que coisas tremendas aconteciam, que valores tremendos vinham!


[ Capítulo precedente ] [ Índice ] [ Capítulo seguinte ]