O significado persistente de Pentecostes
por T. Austin-Sparks

Leituras: Atos 2:1-36; Isaías: 9:6; Mateo: 16:28; Atos 2:34; 1 Coríntios: 15:25

Atos é proeminentemente um livro de princípios, e é justamente aqui que tantas vezes erramos em procurar a repetição da forma pela qual esses princípios foram expressos; formas de expressão mudam, mas os princípios permanecem.

Embora o Senhor possa fazer algo fresco, Ele não vai necessariamente usar a mesma forma, mas Ele vai fazê-lo nos mesmos princípios, estes princípios são eternos, imutáveis​​, eles permanecem para sempre.

Estamos muitas vezes querendo uma repetição de Pentecostes na forma que foram de aquela vez, de manifestações e demonstrações exteriores. O Senhor vai fazer uma coisa nova, e, coisas básicas para Sua atividade daquela ocasião, serão fundamentais para Sua atividade sempre. Princípios, e não formas, são as coisas para as quais estamos a olhar.

A base de tudo no dia de Pentecostes, está centrado e relacionado a uma coisa, a entronização do Senhor Jesus no céu, na virtude plena de Seu triunfo universal. Até agora seu triunfo universal não chegou ao seu fim completo: "Assenta-te à minha direita ATÉ que ..." (Salmo 110:1). Ele fica lá em virtude de Seu triunfo universal, e o triunfo neste tempo está a operar para a sua conclusão, "até que ...”

1 Coríntios. 15:25,26: "Porque convém que Ele reine até que haja posto todos os Seus inimigos debaixo de Seus pés, o último inimigo a ser destruído é a morte.". "Mas graças a Deus, que nos dá a vitória por intermédio de nosso Senhor Jesus Cristo." Ele deve reinar até - Seu reinado já começou!

Tudo o que aconteceu no dia de Pentecostes se centralizou nisso, e se relacionou a essa entronização do FILHO DO HOMEM.

Atos 2:22, 32-36: "Varões de Israel, ouvi estas palavras: Jesus de Nazaré, um homem aprovado por Deus ... Este Jesus que Deus ressuscitou ... sendo, portanto, pela mão direita de Deus, exaltado, e tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, Ele derramou isto, que vos vedes e ouvis ... que toda a casa de Israel saiba, com plena certeza, que Deus o fez Senhor e Cristo, este Jesus, a quem vocês crucificaram. "Esse é o pivô, centro, e coração de tudo o que aconteceu no dia de Pentecostes.

Muitas vezes a nossa atitude sugere que o Senhor Jesus está dificilmente à altura da situação, e que os principados e potestades, e o diabo tem o domínio e autoridade, ou que é uma luta muito grande, com um problema quase que duvidoso!

Pentecostes marca o início da soberania celestial do Senhor Jesus, e alguns deles viram o Filho do homem vindo ao Seu reino antes que eles provassem a morte. Jesus disse-lhes: "Em verdade eu vos digo, Que há alguns que aqui estão, que não provarão a morte até que vejam o reino de Deus com poder." (Marcos 9:1).

Pentecostes apresenta uma crise e um clímax, conectado com o que é um bom número de coisas. Em Atos 2, veja as diferentes conexões com as Escrituras do Antigo Testamento e do clímax para elas; liga Atos 2 com Efésios 3:8,9: "Para dar a conhecer a todos, qual seja a dispensação do mistério que desde os séculos esteve oculto em Deus ... com a intenção de que agora até os principados e potestades nos lugares celestiais pode ser conhecido através da igreja, a multiforme sabedoria de Deus, de acordo com o propósito eterno que propusera em Cristo Jesus, nosso Senhor. "

Vamos traçar as conexões e os clímaxs: -

1. Como nas Escrituras do Antigo Testamento;

2. Como na Pessoa do Senhor e obra;

3. Quanto à formação e preparação de Seu instrumento - a Igreja.

Em primeiro lugar, o clímax em relação ao Antigo Testamento. Observe como é lidado neste registro em Atos 2, e leia Lucas 24:26,27,44:? "Acaso não convinha que o Cristo padecesse e entrasse na Sua glória? E, começando desde Moisés e desde todos os profetas, explicou-lhes em todas as Escrituras as coisas referentes a Si mesmo ... e disse-lhes: são estas as palavras que Eu disse a vocês, enquanto Eu ainda estava convosco, que todas as coisas devem ser cumpridas, que estão escritas na lei de Moisés, e os profetas e nos Salmos, a respeito de Mim.

Pentecostes relacionou-se com todas as Escrituras do Antigo Testamento,

e foi o clímax de tudo o que havia sido escrito. O Espírito Santo veio com a virtude plena de tudo o que havia sido escrito no Antigo Testamento a respeito de Cristo para torná-las real e cumprí-las, para trazer essas realizações à experiência pessoal do crente. O advento do Espírito Santo foi para fazer de todo o Antigo Testamento, um cumprimento manifestado na pessoa de Jesus Cristo.

Neste registro de Atos 2, há uma ruptura e abertura do sentido das Escrituras. Joel; o que era o peso da Palavra de Joel? "O Dia do Senhor". "Mas isto é aquilo que foi dito pelo profeta Joel". "Isto é aquilo," no dia em que o Senhor veio para os Seus. Falamos de ter o nosso dia, o Senhor vem em Seu dia. Pentecostes é a vinda do Senhor em Seu dia, Ele é entronizado, e este Dia do Senhor está em duas partes; a primeira ocorreu no dia de Pentecostes, e a última parte está no livro do Apocalipse.

Pentecostes foi a introdução do "Dia do Senhor", no lado da Graça de Sua soberania, e no Apocalipse é no lado do Julgamento de Sua soberania - um dia, mas em duas metades, e, tão certo como o Senhor Jesus começou Seu reinado em graça, também, certamente Ele vai levar a barra de ferro para quebrar as nações em julgamento aos que resistem e rejeitam Seu reinado na graça.

O Dia do Senhor está em nossos corações agora, Ele é o Senhor soberano, e por isso Ele é oferecido para as nações em graça, mas também temos uma mensagem de autoridade, e se há uma recusa de Sua graça, deve haver um reconhecimento da soberania no juízo, pois tudo confessará que Jesus Cristo é o Senhor.

"Pelo que também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu o nome que está acima de todo nome ... e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai". (Filipenses 2:9,11)

Em outra parte do mesmo registro da ligação, está com Davi e Salomão. Com Davi e Salomão foi introduzida uma revelação da graça, glória e admiração, mas é preciso das duas pessoas para ilustrar o reinado e obra do Senhor Jesus, e você entrar em Pentecostes, onde ele tem o seu cumprimento e realização espiritual.

Davi e Salomão são os tipos da pessoa do Senhor Jesus, em Sua obra e reinado Ele é Davi e Salomão, mas Ele transcende a ambos, Ele adquire tudo o que é típico em eles e o realiza em Sua própria Pessoa; Pentecostes é o clímax das Escrituras do Antigo Testamento a respeito de Cristo.

Agora, em relação à Pessoa, vida e ensino do Senhor Jesus nos dias de Sua carne.

Pentecostes foi um reconhecimento e uma prova de tudo o que Cristo veio a ser, e tudo o que Ele ensinou, e tudo o que Ele fez.

Todo o valor espiritual disso vem por Pentecostes em sua plena vindicação.

Sua reivindicação da soberania é estabelecida pelos resultados morais e espirituais do Espírito Santo entrando na vida de um filho de Deus e transformando-o, fazendo com que ele conheça na experiência (não pelo argumento intelectual) a vida de Seu triunfo soberano, esse reinado interior em vida por Cristo Jesus. Tudo o que o Senhor Jesus ensinou e fez é vindicado pela operação interior do Espírito Santo na vida do crente, a vitória da vida de ressurreição do Senhor Jesus.

O Senhor Jesus foi vindicado por uma experiência poderosa do Espírito Santo! É o valor espiritual e moral da pessoa, e o trazer desses frutos pelo Espírito Santo para dentro da vida, é a mudança que o Espírito Santo faz na vida moral, que é, a vindicação do Senhor Jesus. Você não pode divorciar responsabilidade moral e experiência espiritual, não há vindicação, mas o caos e contradição. Pentecostes é o clímax da Pessoa, trabalho e ensino do Senhor Jesus nos dias de Sua carne, pois dá valor espiritual e moral para aqueles em quem Ele habita, ou seja, provado na experiência pelo Espírito Santo.

Por que o Espírito Santo veio? Para fazer experimental na vida, pelo mesmo Espírito Santo, tudo o que Jesus é para o crente. Esta é a obra progressiva e construtiva do Espírito Santo, a transformação de homens e mulheres.

Pentecostes foi o clímax em relação ao treinamento e preparação de um INSTRUMENTO.

O primeiro capítulo termina com a apresentação do referido instrumento, a conclusão do Apostolado com a inclusão de Matias. Um instrumento tinha sido treinado e preparado para continuar a obra do Senhor entronizado. Esta preparação está em três partes:

1. Nos dias de sua carne;

2. Os quarenta dias após Sua ressurreição;

3. Os dez dias após sua ascensão.

A primeira parte do treinamento - Nos dias de sua carne

Um ano depois dEle começar Seu ministério público, Ele chamou e teve em formação por dois anos à aqueles quem Ele escolheu. Quais foram as principais características desse período de treinamento? Primeiro, uma visão e uma audição sem entendimento, um assunto muito real. Enquanto lemos os Evangelhos, vemos que foi um tempo de imposição de um armazenamento subconsciente de ações e palavras não compreendidas. Oh! mas não operou isso depois o Espírito Santo? O que o Espírito Santo vindo em nossa vida, significa? Uma explicação de quem é Jesus: "Ele receberá de Mim, e dará a ti", e até que Ele não venha, palavras não têm essa força potente; ". O Espírito dá Vida"

Em segundo lugar, sendo permitido participar nas obras e poderes sobrenaturais, e sendo dado lampejos de revelação espiritual, "carne e sangue não revelou a ti, mas o meu Pai que está nos céus." Apenas lampejos, logo passando, mas sabendo de uma coisa "dos poderes do mundo vindouro".

Atente para princípios destes. Muitas vezes, o Senhor antecede as coisas para nós, mas depois as encontramos descendo para a morte, mas isso é um treinamento, e tem que estar em ordem para nós, a nossa carne o deixa de fora, é um princípio de treinamento, e assim o Senhor nos traz à cooperação espiritual com o que Ele está fazendo.

Pentecostes é necessário para colocar as coisas em outro reino, onde o "eu" fica completamente fora, e o Senhor está absolutamente dentro. Pentecostes é o clímax para isso. Isso tudo foi acompanhado e dirigido a um total colapso e falência pessoal por parte dos discípulos, eles Lhe falharam no decorrer; veja-os com a mulher sírio-fenícia, perturbada com problemas, chorando-lhes: "Tem misericórdia de mim! " e eles "rogaram-lhe, dizendo: Manda-a embora;. ´pois vem gritando atrás de nós"

Mais uma vez: "Senhor, quantas vezes meu irmão deve pecar contra mim, e eu lhe perdoar? Até sete vezes?" "Eis que nós tudo temos deixado, e te seguimos; então o que teremos?" De barganha para obter mais do que eles deixaram! e não cuidando dos outros, só deixe-nos ser os primeiros; ambição por um lugar de destaque, este não é o espírito dAquele que se esvaziou e se humilhou até a morte de cruz!

Agora Pentecostes vem para erradicá-los completamente, mas já não são mais eles mesmos, mas ELE, agora eles podem seguir até a morte, agora eles podem perdoar, o que era pessoal foi embora, já não são os seus interesses a coisa predominante, mesmo nas coisas de Deus; mas única e totalmente a SUA GLÓRIA a qualquer custo.

Pentecostes exige esses termos, o termo de que está acabado! Não há lugar para a mera força da alma aqui; força da alma nas coisas de Deus é uma negação do Espírito Santo, Ele é o "Espírito da vida em Cristo Jesus." (Romanos 8:2)

Não são mais os nossos esforços, nossas conquistas, estamos de fora, e é, doravante, o Senhor o fez! Isso é Pentecostes.

O Senhor está procurando obter um Instrumento, pelo que e através do qual apresente o Senhor Jesus para as nações como "Príncipe e Salvador". (Atos 5:31.) E primeiro deve haver uma realização da soberania absoluta do Senhor Jesus na vida antes que possa haver tal apresentação dEle para as nações.

A segunda parte do treinamento - os quarenta dias após a Ressurreição

Esta é uma outra fase de suas formações; note a característica disto. Era um estabelecimento na suas experiências de que Ele disse quem era - Ressurreição em pessoa.

Nos dias de sua carne, afirmara ter poder sobre Sua vida, "ninguém tira isso de mim ... Eu tenho poder para a dar, e tenho poder para tomá-la. Este mandamento Eu recebi de meu Pai "(João 10:18), e por quarenta dias Ele esteve estabelecendo na experiência deles quem Ele disse que era, e tudo o que Ele dizia ser. Teria sido uma catástrofe sem esses 40 dias, eles teriam perdido a realidade da presença viva do Senhor.

Também foi o estabelecimento para eles de tudo o que Ele havia prometido em relação a Sua ressurreição: "Eu nunca te deixarei." "Eu estou com você sempre - todos os dias." "Porque eu vivo e vós vivereis." Ele fez muitas promessas no terreno da ressurreição, e assim, voltou e estabeleceu-os todos, e a fé deles era num ressuscitado, vivente e Senhor presente, e não apenas num Jesus histórico.

Seguidamente, Ele estabeleceu o fato de que Ele é o Senhor dos homens, e vemos a inclusão de Sua reivindicação. Todas as forças que poderiam ser usadas ​​pelos homens foram trazidas por eles para colocá-Lo para fora da existência, mas Ele voltou! O homem não pode livrar-se do Senhor Jesus. Ele é o soberano dos homens.

Trás os homens está o diabo, ele está envolvido em tudo isso, e ele esgotou-se e recorreu a sua última arma, a morte. A resposta para isso é a ressurreição: "Eu sou ... o Vivente, e fui morto, mas eis que estou vivo pelos séculos dos séculos e tenho as chaves (autoridade) da morte e do Hades." (Ap 1:18).

Ele estabeleceu sua soberania sobre todos, homens, diabo e a morte; estabeleceu-se em todos os domínios.

Este foi o Testemunho que está sendo trazido para casa naqueles 40 dias; Sua soberania em todas estas coisas. Ele estava fazendo-os saber da literalidade da Sua Pessoa na ressurreição para ser igual ao que era nos dias de Sua carne, Ele não era um espírito, mas literalmente tão real em Pessoa como o era antes de Sua morte. Pentecostes é o clímax para a literalidade da ressurreição do Senhor Jesus.

Seguidamente, a emancipação desde fora da limitação de tempo e espaço. Ainda treinando um instrumento de utilidade futura! Ele não é mais limitado pelas restrições do tempo, e Ele está buscando trazer para casa aqueles que, apesar de não ver, Sua ausência não deve ser tomada como garantida. Ele está lá o tempo todo, e não há tempo em que Ele não está com eles!

A seguir, o estabelecimento no solo da comissão mundial deles. Quarenta dias é o período à demonstração, que termina em uma demanda para assumir a responsabilidade. Depois de quarenta anos no deserto, os israelitas receberam a ordem de ocupar a terra.

A terceira parte da Formação - Os dez dias depois de Sua Ascensão

Demonstração e treinamento emitem na assunção de responsabilidade. Dez é o número de responsabilidade. Veja as tábuas do Tabernáculo, dez côvados de altura e coberto com ouro. Aqui você tem o tipo de ensino, e sobre a responsabilidade do homem para com Deus, o homem só é capaz de cumprir essa responsabilidade (mas ele é capaz de enfrentá-la!) Na base da redenção e no poder da natureza Divina.

Dez dias passaram ​​em oração, entrando neste assunto pela oração, ocupados, sem outra carga! E, oh! com toda a revelação que Ele nos deu, não deveria nos levar aos joelhos em oração? Pentecostes não veio um dia antes da preparação da oração completa; 40 dias de revelação e, em seguida, a oração de dez dias; uma clara manifestação de Si mesmo e Sua novidade; e o primeiro carregamento da responsabilidade em dez dias de oração.

E qual foi o resultado da oração? Um empurrão no poder, pelo poderoso Espírito Santo, a revelação da ressurreição, uma visão dos campos brancos para a colheita, e depois uma entrega de si à oração, até o envio do Espírito, visão, oração, vai; sim, essa é a ordem do Senhor.

Aqui há uma preparação tríplice, e Pentecostes é o clímax dessa preparação, e o terreno sobre o qual o Espírito Santo vem.

"Vós sois as testemunhas destas coisas, mas ficai ... até que sejais revestidos com poder do alto". (Lucas 24:48,49).

"Ele foi recebido no alto, depois de haver dado mandamento, pelo Espírito Santo aos apóstolos que escolhera, para quem também se manifestou vivo depois de sua paixão por muitas provas, aparecendo-lhes por espaço de quarenta dias, e falando das coisas concernentes ao reino de Deus: e, estando com eles, ordenou-lhes que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, a qual, disse Ele, que ouvistes de mim ... sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias. " (Atos 1:2-5).

"Então voltaram para Jerusalém, estes todos, com um acordo perseveravam na oração, com as mulheres, e Maria, mãe de Jesus, e com seus irmãos."

Originalmente publicado na revista “ uma testemunha e um testemunho”
http://www.austin-sparks.net/english/001559.html