Um Sinal
por T. Austin-Sparks

Que significa entregar-se ao Senhor?

Notas de um sermão dado na última noite do Sabbath, Novembro 29, 1926, em Honor Oak Baptist Church buildings.


“Dize: Eu sou vosso sinal”. Ezequiel 12:11

A concepção mental da consagração tem chegado a significar ser abençoado e ser feito uma benção. Essa não é uma verdadeira concepção se apenas pararmos por aí. Estas passagens que temos lido, contém uma proposição, a qual é o principio básico e central da consagração ao Senhor, de se entregar ao Senhor. E qual é? Que Ele possa nos fazer um sinal. Essas passagens contém esta lei, a qual temos frequentemente assinalado, que Deus em Seu eterno propósito determina que o método de Sua realização seja por uma encarnação de Si mesmo, isto é, uma manifestação de Si mesmo na carne; e que Ele faça algo nessa encarnação que fosse um sinal para o universo, que signifique algo de infinita Sabedoria, Poder e Soberania de Deus - que Ele tome posse da forma de homem, e nessa forma fazer coisas e dizer: “Olhe isso e aprenda”. Pelo que Ele faz em tal instrumento, Ele está fazendo desse instrumento um sinal, com significado não apenas para o homem, mas para anjos das duas hierarquias, a divina e a satânica. Como exemplificado em Jó, que Ele possa fazer algo que todo o exército de anjos e demônios olhem e aprendam, e fiquem sabendo; portanto, em cada esfera, entre os homens e nos celestiais, o inferior e o céu superior, que Deus pode ser capaz de fazer algo naqueles que são Dele, o qual possa ser o meio de instruir, conscientizar, informar e demostrar.

Moisés foi um sinal aos filhos de Israel. Ele desobedeceu a Deus, e Deus teve que imediatamente atuar, e porque Moisés ficou em tal proeminente posição perante o povo, sua desobediência foi publicamente punida, nesse julgamento ele se tornou um sinal para os israelitas, para que eles não venham a considerar levianamente o pecado da desobediência. E conosco, terá que haver muitas vezes uma pública demonstração e juízo da carne, para a advertência de outros, assim também como a vindicação da Verdade em sua operação vivente. Moisés foi o sinal de Deus. Custa ser o sinal de Deus. Estamos dispostos? Quão grande o custo para Moisés! - mas – o que veio depois disso!

Que isto é um principio de um lidar divino é ilustrado nas seguintes escrituras:- Ez. 12:6. “fiz de você um sinal.” Ez. 12:11. “Sou teu sinal.” Ez. 24:24. “Lhes será um sinal, vocês farão o que ele fez e saberão que eu sou o Senhor.” At. 1:8. “E serão minhas testemunhas.” 2Cor. 3:2. “Vós sois a nossa carta...conhecida e lida por todos os homens.” 2Cor. 3:3. “Sendo manifestos como carta de Cristo.” 1Cor. 4:1. “Que os homens nos considerem, pois, como ministros de Cristo.” 1Cor. 2:15. Viemos a ser um espetáculo para o mundo, tanto diante de anjos como de homens.” Ef. 3:10. “Para que agora seja manifestada, por meio da igreja, aos principados e potestades nas regiões celestes, a multiforme sabedoria de Deus.” 2Cor. 2:15. “Porque para Deus somos o aroma de Cristo entre os que estão sendo salvos e os que estão perecendo.”

Acredito que o Senhor nestes dias está procurando reunir um povo, e reunir num povo –poucos eles certamente serão, e um não diz que o Senhor não possa fazer isto com todos os que são Seus – que sejam Seu sinal para a Casa espiritual de Israel. Seus testemunhos podem não ser um testemunho de que a Casa de Israel está totalmente errada; mas seus testemunhos serão de que existe uma vida maior e mais profunda em Deus, à qual Ele os chamaria. Ao sentir este encargo sobre tantos nestes dias, você entenderá o significado disto, que quando o Senhor chama um povo, pode ser uma companhia pequena, Ele coloca Sua mão sobre alguém aqui e outro ali, os acrescenta um por um a uma companhia pequena desses que serão um sinal especial para Sua casa, Ele lida com eles em maneiras completamente diferentes das que Ele segue com outras pessoas, e Ele diz: “Farei uma coisa nova”.

Ora, não adianta você fazer comparações com outros. Eles podem, em seus caminhos, ter um certo zelo e benção de Deus sobre eles; mas não quer dizer que a maneira que o Senhor está conduzindo você é errada; e não ouse discutir segundo os caminhos que outras pessoas vão. Este é o caminho do Senhor para você. Não pare para fazer comparações. Nós tropeçamos nisso muitas vezes, nós que temo-nos dado inteiramente a Deus, e depois temos estas experiências excepcionais e provadoras a enfrentar – o impacto total da ira do inimigo. Olhamos em volta para outros que têm um tempo mais fácil, porque eles não estão indo pelo caminho que nós estamos indo. De imediato ao fazermos isso, a parte inferior do todo começa cair. O ponto é, o Senhor tem Sua roda dentro de uma Roda, Seu instrumento com o qual Ele deseja fazer um sinal especial para Seu povo, de Sua Sabedoria, Seu Poder, Sua Graça, Seus Métodos, Seu Propósito, para assim Ele revelar a Si mesmo através deles para outros. Não tenha, por nenhum momento, o pensamento de qualquer um estando no pedestal, e estando em isolamento, de conta especial ao Senhor. Simplesmente significa que descemos mais profundo para a morte, e em humilhação perante o mundo, do que qualquer outro. E porque o Senhor nos leva mais profundo, Ele é apto para revelar algo maior.

Falar agora ao estarmos encerrando a nossa permanência nas linhas mais antigas, e com certas associações mais velhas – Deus está nos levando até o caminho, o qual é não usual, o qual é, se quiser, peculiar; e realizando algo que sabemos não ser algo feito em algum outro lugar. Assim que Ele nos leva em comunhão, acredito que é para que ao fazer isto, com tudo o seu custo, com toda a sua dor, com toda a necessidade da destruição de cada pedaço da carne, orgulho e arrogância, e o desejo pela aprovação dos homens, e todo esse tipo de coisa – acredito que em Seu novo caminho, Ele está procurando ter esses que vão com Ele, a fim de que Ele possa torná-los um Sinal, como algo espiritual, e algo espiritualmente poderoso; não que os homens possam aplaudir, não que os homens possam aprovar, mas que porventura, seja o impacto de Deus desde o Trono de Deus sobre o trono de Satanás, neste dias de encerramento. Esse é o peso da Palavra do Senhor: “Filho do homem, tenho feito você um Sinal”; “Diga a eles, Eu sou teu Sinal”.

Assumo que nós que estamos reunidos neste lugar, nesta noite, somos todos povo do Senhor. Quase todos nós estamos nesta comunhão do Espírito, tendo abandonado-nos para ir com o Senhor por todo o caminho. Me parece que este momento é um momento em que devemos encarar a implicação desta palavra; de se, estamos indo pelo caminho popular, ou se estamos indo pelo caminho impopular; de se vamos ser o Sinal do Senhor. Quando Paulo proferiu estas palavras: “Deus nos fez ser por último, um espetáculo”, ele estava tomando nota dos feriados dos Romanos, quando eles se reuniam para o dia do esporte; quando todas as outras coisas tinham já passado, a última coisa era colocar na arena, criminosos que eram objeto de zombaria a fim de coroar este feriado, para que pessoas rissem, burlassem, ridicularizassem, tirassem o sarro; e Paulo diz: “por último, somos feitos um 'espetáculo'” - o mundo ri. Assim como o mundo riu-se de Neemias na construção dos muros de Jerusalém.

“Deus nos fez um espetáculo”. Estamos prontos para ser feitos um “Sinal”? Aquilo pelo que o mundo ri? A cruz do Senhor Jesus tem provado sempre ter sido a sabedoria e poder superlativo de Deus. No momento, o compartilhar da cruz é o teste real. O Mestre suportou a cruz, e desprezou a vergonha, a fim de ser feito um sinal. Houve alguma vez já um Sinal mais glorioso e poderoso do que essa cruz?

Então o nosso Mestre chegou até o fim e disse: “por causa deles Eu me consagro a Mim mesmo, por causa deles Eu me entrego à completa consagração; e essa consagração é a cruz; e Estou disposto a ser feito um “espetáculo” para os homens, demônios e anjos, por causa deles”. O Senhor quer que sejamos Sinais. Um diz isto com respiração suspensa, sabendo pouco do que isto significa, mas sabendo também que Sua Graça é suficiente. Amados, Ele está apenas procurando reunir uma companhia de pessoas com quem Ele possa fazer um Sinal, não apenas de sofrimento e aflição, mas de Poder e Glória, para mostrar a outros Sua Sabedoria, Sua força, Sua Soberania, Sua Graça. Você dirá, nesse terreno, nestes termos : “Sou do Senhor. A Teus pés eu caio; para sofrer, viver ou morrer, para meu Senhor crucificado?” Isto é o que quer dizer ser Suas testemunhas. “São Minhas Testemunhas” - não quer dizer sair e falar; significa o Senhor operando em nossas vidas, e outros olhando, e dizendo: “Essa é a Mente de Deus; esse é o Caminho de Deus; essa é a Vontade de Deus”. E assim que Ele o realiza, logo demônios aprendem quem Deus é, a Glória de Deus, a Soberania de Deus; os anjos curvam-se por causa de Seus feitos na Igreja, e glorificam Ele em nosso favor.

Que Ele possa nos levar a dar nosso assentimento e consentimento num novo, fresco ato de abandono e consagração individualmente, e como um povo, por estes próximos dias.

Primeiramente publicado na revista “Um Testemunho e Uma Testemunha”, Jan-Fev 1927, Vol 5-1

"A Sign"