Expansão Através do Conflito
por T. Austin-Sparks

“Finalmente, fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder. Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes permanecer firmes contra as ciladas do Diabo; pois não é contra carne e sangue que temos que lutar, mas sim contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes do mundo destas trevas, contra as hostes espirituais da iniquidade nas regiões celestes. Portanto tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, permanecer firmes. Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça, e calçando os pés com a preparação do evangelho da paz, tomando, sobretudo, o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do Maligno. Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus; com toda a oração e súplica orando em todo tempo no Espírito e, para o mesmo fim, vigiando com toda a perseverança e súplica, por todos os santos, e por mim, para que me seja dada a palavra, no abrir da minha boca, para, com intrepidez, fazer conhecido o mistério do evangelho, pelo qual sou embaixador em cadeias, para que nele eu tenha coragem para falar como devo falar.” Ef.6:10-20.

Eu acho que vocês já devem saber que a Carta aos Efésios, no Novo Testamento corresponde ao livro de Josué no Antigo. No livro de Josué, o Senhor disse ao Seu povo, antes mesmo de eles entrassem na terra, que Ele a tinha dado a eles, e que cada lugar que a planta dos seus pés repousasse já era deles; que a terra já era sua posse, e os inimigos foram subjugados. NEle a questão já estava resolvida. No entanto, quando eles realmente entraram na terra, eles descobriram que tinham que lutar por cada centímetro dela. Não houve realmente uma contradição nisso, porque eles estavam lutando em algo que o Senhor já tinha feito. Temos muitas vezes colocado isto desta forma - eles estavam lutando em uma vitória, em vez de por uma vitória. Era mais uma questão de fé se apossando e não de fé recebendo. Agora, lá, é claro, a questão era a herança e o alargamento de suas posses, e eles não iriam possuir qualquer parte, para estender e espalhar-se por toda a terra, a não ser que enfrentassem desafios por todo o caminho e superassem esse desafio.

Esta é exatamente a posição aqui em relação a Igreja nos lugares celestiais. Os lugares celestiais em "Efésios" correspondem à terra no Livro de Josué - isto é, os lugares celestiais em Cristo Jesus. É o Senhor em toda a plenitude de sua vida e posição ascensa, e essa plenitude é para a Igreja. É para ser Sua plenitude, mas a posse pela Igreja de qualquer medida de Cristo, a posse de qualquer fragmento de plenitude espiritual e expansão, vem ao longo da linha de conflito espiritual. O Senhor deixou o inimigo na terra, mesmo quando Ele disse que a tinha dado a Seu povo e iria subjugar os seus inimigos debaixo deles, Ele não foi na frente e expulsou o inimigo. Ele os deixou fazer isso. Embora na cruz o inimigo seja derrotado e tudo seja garantido para a Igreja, o Senhor deixou o inimigo a fim de que a Igreja possa chegar, não para uma posição mecânica ou teórica de plenitude, mas a uma posição real, espiritual. Por isso, o inimigo é o instrumento do Senhor para levar a Igreja ao seu lugar ao longo da linha de conflito.

A herança, claro, tem seus dois lados nesta carta. O Senhor tem uma herança nos santos, isto é, o povo do Senhor é a sua herança. Há o outro lado, onde a herança dos santos é o próprio Senhor, e estes dois lados em realização - o Senhor recebendo o que Ele dispôs em seu coração ter, e nossa entrada naquilo para o qual o Senhor nos chamou - é um questão de alargamento espiritual dia após dia, por meio de conflito espiritual.

A necessidade de força de espírito

A que isto equivale? Em uma palavra, é uma questão de força de espírito. Nossa medida espiritual é uma questão de quão forte estamos espiritualmente. Por isso, esta seção começa com: "Finalmente, sede fortalecidos no Senhor (ou, a partir de agora ser feito poderoso do Senhor) e na força do seu poder", isto é a sua medida, e a força espiritual é decidida no conflito espiritual. Se sucumbimos facilmente sob pressão e oposição, rapidamente desistimos e murchamos porque as coisas começam a ficar difíceis, isto determina exatamente a nossa medida de força espiritual, nossa medida de Cristo. De um ponto de vista, você tem que medir Cristo pelo Seu contato com o inimigo. Volte para a Sua vida sobre a terra, e veja até onde o inimigo foi capaz de obter vantagem, para derrubá-Lo, e você descobre que ele não foi capaz em nada, em nenhum ponto, em nenhuma circunstância. O Senhor mostrou Sua medida espiritual contra toda a força de oposição espiritual. Satanás e todo o seu reino foi equiparado com um Homem – e o Homem superou, lançou fora o príncipe deste mundo, subjuga o seu reino e leva a sua autoridade. A medida de Cristo é vista em contraponto com o inimigo, e nossa medida espiritual é determinada neste combate com o inimigo. Simplesmente, então, a nossa medida espiritual é uma questão de força espiritual.

Isso é aqui visto destas duas maneiras. Como o resto da passagem mostra, existem muitas formas nas quais o inimigo vem para arrombar, para entrar em um terreno de vantagem. Não podemos aqui buscar todas as coisas representadas pelas armas, mas cada uma dessas partes de toda a armadura mencionada aponta para alguma forma de ataque inimigo. O capacete sugere um golpe na cabeça, ou seja, um assalto espiritual sobre a mente. O quanto é a mente impenetrável a ataques? Conhecemos os ataques terríveis do inimigo sobre nossas mentes, para capturá-las, para dominar nosso pensamento, o nosso raciocínio. Em outra momento, ele vai fazer um assalto terrível em nossos corações - os nossos sentimentos, emoções, afetos, desejos. O peitoral sugere esta forma de ataque espiritual. Por outra vez os próprios órgãos vitais, os lombos, são alvo, como sugere o cinto da verdade. O inimigo irá, como se diz, 'nos atingir abaixo da cintura' se puder. Há uma sugestão aqui de uma forma de agressão espiritual em um lugar onde nós seremos completamente feridos, se não tivermos cuidado, se não estivermos precavidos. Então você passa por toda a armadura em cada parte, e você encontrará que cada parte significa alguma forma de conflito espiritual, o ponto em que o conflito está sendo concentrado em um determinado momento. Hoje vai ser em um ponto, amanhã em outro. Sou capaz de enfrentar o inimigo em força? Posso espiritualmente encontrá-lo na mente? Posso espiritualmente encontrá-lo no coração, onde todos os sentimentos são centrados? Isso determina o qual a minha medida espiritual. Então, para começar, é força nesse sentido que é a nossa necessidade.

A necessidade de inteligência

Mas, então, é também uma questão de inteligência. As duas coisas que marcam a medida espiritual são força e inteligência. Você acha isso por todo o caminho através do Novo Testamento. É uma questão de entendimento, bem como de ser forte. Há um sentido em que podemos ser fortes, mas não realizar muito pela nossa força porque ela não é acompanhada de inteligência. Por outro lado, podemos ter um tipo de inteligência e saber tudo sobre as coisas, e ainda não sermos capazes de enfrentar o inimigo com elas. Estes dois fatores devem caminhar juntos. Assim, a palavra aqui é "as astutas ciladas do diabo". Não é apenas seu ataque feroz em força que tem de ser levado em conta, mas também a sua astúcia. Ele sabe onde atacar em um determinado momento, e quando é o melhor momento para fazer um determinado tipo de agressão, e muitas vezes ele desenvolve uma situação que é muito adequada para o seu propósito. Ele vai nos levar a uma grande atividade em nossas mentes, pensando, planejando, raciocinando e, em seguida, ele vai dar um golpe terrível para nos jogar para baixo através de nossas mentes. Às vezes, ele está se movendo completamente no reino dos nossos sentimentos, agitando-os para cima, provocando situações que tocam nossos corações profundamente. Nesse momento é a vida emocional que é o ponto de perigo, e então ele faz um ataque terrível sobre isso. Ele é muito astuto, muito inteligente, muito sabido.

Para combater isso, precisamos ter inteligência espiritual para ver a sua intenção e estar apercebidos para suas táticas. A inteligência espiritual é uma questão de medida espiritual. Quantas vezes alguém é derrubado em um ataque do inimigo, totalmente nocauteado, e alguém vem e diz: "Você não viu assim e assim - como o inimigo tem trabalhado até aqui, e você finalmente ficou na posição para a qual ele foi manobrando?” Eles respondem: "Se ao menos eu tivesse visto isso, eu teria dado lugar!” Se temos inteligência para conhecer as artimanhas, temos medida espiritual. A necessidade não é apenas de ser forte no sentido de cavar nossos calcanhares e cerrar os punhos, mas de ter uma força inteligente. Um homem muito forte pode ser, afinal, completamente superado por um pouco de esperteza, derrotado, não por causa do contra-ataque, mas por uma artimanha.

Cristo Uma Defesa Adequada para Cada Assalto

O próprio Paulo foi um exemplo notável de força combinada com inteligência. Pense em sua posição quando ele estava escrevendo estas coisas. "Eu sou embaixador em cadeias" (Ef. 6:20). Que contradição! Que absurdo! Paulo, nessa cadeia, em sua prisão, tinha um grande motivo para desistir, enfraquecer, para tomar uma atitude desesperada, mas, na realidade, ele era muito forte. Ele também poderia ter perdido a esperança de lidar com toda a situação que o confrontou, não só pessoalmente, mas nas igrejas - ele poderia ter sido completamente derrotado por todo o conjunto da situação. Mas ele está exibindo uma sabedoria maravilhosa. Esta armadura, como Paulo pega e transpõe para a vida espiritual, indica uma grande dose de sabedoria da parte dele. Pense nela, peça por peça. Para o ataque sobre a mente - o capacete da salvação. Quão adequada e indicada para situação ele é! O ataque no coração - o que é isso? O que é que nos leva para baixo mais do que qualquer outra coisa pelo inimigo? É um espírito de acusação, de condenação, trazendo aos nossos corações um sentimento de nossa própria maldade e indignidade e inutilidade, para fazer com que nossos corações se afunde em desespero. Paulo diz tão sabiamente: "O remédio para isso é colocar a couraça da justiça - mas não a sua própria justiça. Enfrente o inimigo com a justiça de outro, é a única forma de resistir a essa agressão". Passe por cada parte, e você vai perceber que é um provimento tão sábio, tão compreensível. Em cada ponto, Paulo está expondo esse entendimento maravilhoso, e mostrando sua medida: porque Paulo poderia ter sucumbido a essas coisas tão facilmente quanto qualquer outro homem se ele tivesse tomado outra atitude. Ele poderia ter argumentado, 'Todas essas igrejas se voltaram contra mim, todos estes irmãos me deixaram, aqui estou eu na prisão, trancado: o Senhor deve ter algo contra mim, deve haver algo muito errado comigo." Se ele tivesse tomado esse caminho, não teria demorado muito até que ele fosse preso no calabouço interior do castelo do Gigante Desespero. Mas ele tomou o capacete da salvação e a couraça da justiça e do resto da armadura, e ele mostrou a sua medida. Não podemos ficar de igual para igual com ele, mas ele indica para nós o que realmente significa expansão espiritual, é ser forte e sábio em conflito. Assim a medida espiritual é determinada na questão de força espiritual e entendimento espiritual no tempo de conflito.

Originalmente publicado na revista "A Testemunha e um testemunho ", setembro-outubro de 1949, vol. 27-5.

Origem: "Enlargement Through Conflict"