O Desvendar de Jesus Cristo
por T. Austin-Sparks

No inicio do livro de Apocalipse, encontramos, por um lado, uma situação de perda, fracasso, fraqueza e muitas outras condições e características que mesmo o próprio Senhor, em toda Sua graça, tem que lamentar. Através do Seu servo João Ele envia uma série de cartas a sete igrejas representativas, visando assegurar a renovação da vida do Seu povo, e a restauração desses primeiros e primitivos valores dos seus inícios. Logo, foi uma situação de muitas dificuldades – sofrimentos e provações e adversidades de várias formas e de vários tipos. Os cristãos nesse tempo estavam tanto atualmente num tempo de muita adversidade como se movendo ainda mais profundamente para o sofrimento. Para uma destas igrejas o Senhor disse que eles estavam prestes a sofrer, prestes a serem lançados na prisão; eles iriam ter tribulação por um tempo específico. (2:10). Foi um tempo em que os cristãos tanto precisavam atualmente de verdadeira ajuda como de estímulo, e precisavam estar preparados para mais batalhas, mais conflitos e mais sofrimentos. Estes eram os dois aspectos principais da situação geral.

À luz desses fatos, recuamos e perguntamos: como foi que o Senhor, e como é que o Senhor, supre essa necessidade? De fato, podemos dizer: como é que o Senhor sempre supre uma grande necessidade? Que é aquilo somente que vai suprir a necessidade, e ser a chave para o problema, a resposta à demanda, e o terreno assegurado, tanto de restauração como de renovação, e de fortificação para o sofrimento? E a resposta tem sido sempre, e sempre é: Uma nova revelação – um desvendar – da grandeza de Jesus Cristo. Essa é mesmo a plataforma, podemos dizer, sobre a qual e da qual o Senhor se move para essas situações, e para todas as situações que se seguem neste livro. Ele inicia tudo com esta revelação fresca ou desvendar de Sua grandeza pessoal.

Esse tem sido sempre o caminho. Abraão foi chamado para tomar tremendas decisões, para fazer imensos sacrifícios. No seu país e cidade natal, com sua maravilhosa e rica civilização, ele tinha uma vida certamente muito plena; e, sem certeza de que seus movimentos seriam justificados, ele foi chamado para se mudar sob ordens seladas. “Sai...para uma terra que te mostrarei”. Te mostrarei... quando você chegar lá”! Foi uma mudança tremenda, muito custosa, e muito tentadora. Mas se você tem se perguntado como foi que Abraão atravessou, enfrentou todos os testes, e ao fim sobreviveu, você tem, penso, a resposta nestas palavras: “O Deus da glória apareceu ao nosso pai Abraão, quando ele estava em Mesopotâmia” (Atos 7:2). Se isso acontecer, você terá algo para seguir em frente; você terá um histórico; você terá algo que uma e outra vez virá ao seu resgate num tempo de dificuldade.

Moisés foi chamado para empreender uma tremenda responsabilidade. Conhecemos toda a história agora. Moisés não era ao todo ignorante do que ele tinha que enfrentar, em Egito e mais tarde; e nós nos perguntamos às vezes como é que ele manteve o curso e conseguiu. Mas nós sabemos que ele se encontrou com Deus “face a face”; poderia ser dito igualmente que “O Deus da glória apareceu” a ele. Referencia é feita várias vezes na Bíblia a esse encontro com Deus na sarça. E somos informados de que “ele ficou firme, como quem vê aquele que é invisível. (Heb. 11:27). Esse foi o segredo do seu sustento.

Josué foi chamado como moço para enfrentar grandes responsabilidades e compromissos, no livramento e no remover esse país daqueles dez reinos, levando o povo para dentro – semelhante povo – ele os conhecia! - para possuir a terra, e tudo que estava ligado a isso. E não é à toa que o Senhor teve que repetir uma palavra a Josué continuamente, para fazer com que ele se movesse. “Seja corajoso”; “seja forte e de boa coragem”; “apenas seja de boa coragem... apenas seja forte” (Josué 1:6,7,9). Como foi que o Senhor deu a Josué a base? Ele “levantou seus olhos” e viu o “Capitão do exército de Jeová” (Josué 5;13,14). A partir desse momento estava tudo bem; ele podia continuar e conseguir ultrapassar.

Isaías era um moço num dia muito, muito difícil, num desses dias bem nublado na história de Israel. Ele estava assumindo seu grande ministério profético na face de grandes dificuldades e problemas ameaçadores. Como conseguiu ele atravessar? “Vi ao Senhor, sentado sobre um alto e elevado trono”, ele disse (Is. 6:1). Essa é a resposta.

Pense em Paulo – teve algum homem que enfrentar maiores dificuldades, oposições e antagonismos, sofrimentos e perigos, que os desse homem? Como ele conseguiu atravessar? Ele viu o Senhor, ou o Senhor apareceu a Ele. Ele viu a grandeza de Jesus Cristo.

Estevão triunfou enquanto ele via “os céus abertos, e o Filho do Homem em pé à destra de Deus (Atos 7:56). assim poderíamos continuar.

Uns trinta anos mais tarde, o povo do Senhor tinha chegado a um ponto em que iria acontecer um golpe devastador na vida corporativa deles. Foi justamente no ponto desse cerco de Jerusalém, em que tudo iria ser despedaçado e disperso; um grande tremor da terra estava prestes a ocorrer; tudo aquilo que o Senhor Jesus mesmo tinha prenunciado, “...nenhuma pedra sobre pedra...”, e todas aquelas coisas terríveis, estavam todas prestes a ocorrer dentro de muito pouco tempo. Como iriam os crentes superar?

O Senhor tomou um homem – nós não sabemos agora exatamente quem era; alguns dizem um e outros dizem ser outro – mas Ele tomou um homem para escrever o que chamamos “A Carta aos Hebreus”, e ele começa com quase um desvendar incomparável da grandeza de Jesus Cristo! O Senhor estava dizendo através dessa carta: se apenas você tiver isso como sua fundação, você ultrapassará tudo. Você não irá voltar quando você for tentado a fazê-lo, quando talvez você estiver contemplando voltar. Se apenas você visse quão grande seu Senhor é, você prosseguirá. Assim Ele estabeleceu a fundação para a sobrevivência da fé – pois essa é a questão; você sabe como tudo aparece no capítulo décimo primeiro – a sobrevivência da fé, no terreno de uma apreensão da grandeza de Cristo.

E depois chegamos até este livro de Apocalipse, e outra vez estamos na presença destas coisas: por um lado, declínio espiritual, fracasso, colapso, perda; por outro lado, sofrimento, sofrimento crescente, aflições terríveis para a Igreja. Como irá um lado ser remediado e ocorrer restauração? Qual é a chave para um renovo da vida espiritual quando tem atingido um baixo fluxo? Como é que eles vão continuar pela tribulação e as tribulações, e sair em vitória na Cidade de Deus? A resposta única do Senhor, Sua única resposta, que tem sido sempre bem sucedida, e é a única que será bem sucedida em qualquer situação de necessidade, é um novo desvendar da grandeza do Senhor Jesus.


Mas oh, isto são senão palavras! Quando temos dito estas coisas – e todos nós concordamos que são verdadeiras – ainda somos muito impotentes, porque é a coisa que importa – não o falar sobre isso! Se apenas, pelo Espírito Santo – e não há outra maneira, não outros meios – pudéssemos capturar um novo vislumbre de Sua grandeza, quantos problemas seriam resolvidos, perguntas respondidas, necessidades supridas! Quão esmagador seria! - e quando digo “esmagador”, quero dizer, quanto seria esmagado! Um maremoto, fazendo dessas rochas, as quais ameaçamos afundar, como um nada; elas são submergidas em baixo, desparecem de vista.

Ora, isso não é apenas linguagem. Veja – quem está escrevendo isto? É o apóstolo João. O apóstolo João? Sim, aquele homem que andou com Jesus de Nazaré, ouviu Jesus, observou Jesus trabalhar, e, na ceia, e em outros momentos, se assentou do lado Dele, e reclinou sua cabeça sobre Seu ombro – o retrato mais familiar de um homem ao lado de um homem, próximo, dedicado, associação afetuosa. João sempre se chamava a si mesmo “o discípulo que Jesus amava”: mostrava que havia uma familiaridade sagrada, santa, entre João e Jesus, marcada por termos e linguagem muito humana.

Todavia, esse mesmo homem disse: “Quando eu vi Ele cai, como morto”. É o mesmo Jesus, e o mesmo homem; mas - “cai ao chão como morto”. Se Aquele não tivesse, em Sua grande misericórdia, vindo e colocado Sua mão sobre mim, dizendo, “Não temas, João: Sou o primeiro e o último; Sou Aquele que vive”, João teria ficado lá como um homem morto. Era o mesmo Jesus – mas veja a transição do “Jesus da história” para o Cristo da glória! Essa é a diferença. Do João dos Evangelhos para o João do Apocalipse é um movimento maravilhoso e poderoso! Ele nunca se sentiu assim quando ele andava com Jesus, dedicado como ele era. Com sua mais plena consciência de quem Jesus era, ele no máximo, talvez, ficou assombrado e impressionado. Não foi até que ele viu Ele glorificado que ele caiu, prostrado impotentemente, como um homem morto. Foi uma grande transição do Jesus da história para o Cristo da glória.

Agora, não tiro absolutamente nada dos valores e bençãos dos Evangelhos, quando digo que eu às vezes temo que habitemos demasiado no Jesus da história, e falhemos em lembrar que os homens que escreveram esses quatro Evangelhos escreveram eles muito depois que Jesus fosse glorificado. Observe, eles, em algum ponto perto do fim da Sua vida, quando talvez eles começaram a sentir que Ele não estaria com eles muito mais tempo, não se afastaram e decidiram escrever a história dessa vida – do Seu nascimento, e Sua virilidade, e Seu ensino, e Seus milagres – como uma mera história humana, terrena. Quando eles escreveram, eles tinham todos os fatos poderosos e realidades da Sua ressurreição, ascensão e glória celestial, os quais eles estavam procurando ajuntar a essa história de Sua vida aqui, como os que diriam: “Esse era Este! Esse não era apenas Jesus de Nazaré – esse era o poderoso Filho de Deus do Céu”! Eles estavam amontoando cada incidente com a mais completa apreensão que eles tinham do Cristo glorificado – Cristo, que estava agora lá à destra de Deus! Eles não estavam só escrevendo uma história humana.

Esse é o único caminho no qual pregar o Evangelho a partir dos Evangelhos. Você observa, quando depois de Sua ascensão e Sua glorificação, eles pregaram ou escreveram, quão pouco, quão remotamente pouco, eles disseram acerca dos trina anos e meio? - apenas um fragmento aqui e outro ali. Eles disseram muito pouco acerca do Seu ensino, Seus milagres e Sua caminhada pela Palestina. Eles estavam todos ocupados com Este que tinha sido “coroado de glória e honra” - essa foi a mensagem deles. Sim, estava Esse outro – Jesus de Nazaré, “o qual andou fazendo bem, e curando a todos os oprimidos do diabo” - um tipo de leve referência a essa fase terrena, um sumário... “Mas Deus O ressuscitou!” Deus O honrou, Este! Não nos levará muito longe ficarmos apenas ocupados com os incidentes da Sua vida terrena, por mais preciosos que sejam. Se vamos avançar e atravessar, precisamos uma apreensão dessa plenitude da glória que é agora Sua – a grandeza de Cristo.

É, certamente, só por causa do homem ter roubado ou destituído Ele da Sua grandeza essencial, que encontramos, no decorrer dos séculos, as condições deploráveis que têm se obtido. Nossos teólogos “liberais” têm destituído Ele da Sua Deidade; com qual resultado? Oh, resultados devastadores no impacto de Cristo sobre esta terra! Eles fizeram Ele um Cristo menor do que Ele é. Os filósofos só fizeram Dele um nas suas galerias de grandes e sábios homens. Foi contra essa tendência mesmo com os cristãos em Corinto que Paulo se enfureceu na sua primeira carta – (eles) tirando algo do Senhor Jesus, e simplesmente colocando Ele entre outros grandes homens. Os gnósticos de Colossas – o que eles estavam fazendo? Eles tinham uma teoria de classes e ordens de anjos, da mais alta ordem de seres angelicais até o mais baixo subordinado; e eles colocaram Jesus, talvez no topo, porém como nada mais do que um “ser angelical”, roubando Ele de Sua Pessoa essencial. Ele é Deus verdadeiro!

Os “religiosos comparativos”, desde o começo e nos nossos próprios dias, estão dizendo, “bem, existem grandes fundadores de religiões – está Buda, e Confúcio, e Maomé, e Jesus... e assim por diante. Você vê a sutileza? - uma comparativa, não um Supremo absoluto e único! E depois estão os humanistas de nosso tempo, inflando e glorificando o homem e a humanidade a tal ponto que, afinal, a humanidade será um dia divinizada, alcançará a Cabeça de Deus – e Jesus é apenas, depois de tudo, um Super-Homem! Por aí vai, e são todas estas coisas, esta obra Satânica, para reduzir o tamanho de Cristo, fazer Ele menor do que Ele é, isso tem feito muito mal. Se nós perdermos, ou falhamos em termos, a grandeza essencial de Cristo na nossa consciência, a nossa vida espiritual vai ser menor do que poderia ser, e nós quebraremos sob o estresse e tensão da adversidade. A única coisa para cada necessidade é a recuperação da Sua grandeza.

Agora aqui Ele é apresentado na Revelação, e Ele não é apresentado na linguagem da Deidade, embora passe bem perto. Em alguns pontos, você não pode distinguir entre a humanidade e a deidade. Você não sabe se João está falando de Deus ou de Cristo em certos pontos. O fato é, que ele está falando de Quem é ambos. Mas o titulo, como já temos visto, pelo qual Ele é apresentado neste inigualável, incomparável desvendar, é “Filho do homem”. Consideremos agora a grandeza pessoal do Filho do Homem, quem é, ao mesmo tempo, o Filho de Deus, Deus verdadeiro.

Temo-nos referido à Carta dos Hebreus, e a chamamos agora para nos ajudar neste assunto. Lemos ela, e começamos com este “resplandor da sua glória”, e então lemos: “A Quem constituiu herdeiro de todas as coisas” - constituído herdeiro de todas as coisas! - “por quem fez também os mundos...” e assim por diante. “Mas em certo lugar testificou alguém dizendo: Quem é o homem, para que te lembres dele? Ou o filho do homem, para que o visites?” Tu... o constituíste sobre as obras de tuas mãos: todas as coisas lhe sujeitaste debaixo dos pés... Mas agora ainda não vemos que todas as coisas lhe estejam sujeitas. Vemos, porém, coroado de glória e de honra aquele Jesus que fora feito um pouco menor do que os anjos, por causa da paixão da morte, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todos”.

Aqui está o Filho do Homem em Sua própria grandeza pessoal. Veja quem Ele é: “o resplandor...”, “a expressa imagem...” Veja sua designação: “herdeiro de todas as coisas”. Veja Sua instrumentalidade e agência: “por quem fez também os mundos”. O Filho do Homem – quão grande é Este! Você não pensaria isso, quando você vê Ele andando pela Palestina – não tudo isso! Você não O reconhece. Mas Este mesmo está agora aqui diante de João, com esses efeitos devastadores; Esse mesmo, agora revelado, desvendado, quanto ao que Ele é essencialmente em Sua Pessoa; quem Ele é; qual a posição que mantém. Ele está aqui como o Herdeiro de todas as coisas vindo pela Sua herança. E o resto do livro vê Ele trabalhando nisso – a obtenção dessa herança da qual Ele é o Herdeiro, e, no fim, de um “novo céu e nova terra”. Que gloriosa herança fica à vista nos últimos capítulos deste livro! Este é o Filho do Homem; esta é a Sua grandeza! Mas somos completamente derrotados em qualquer tentativa de um verdadeiro, não exagerado, desvendar de Jesus Cristo. Aí está a Sua grandeza pessoal.

Mas como Filho do Homem, temos, nesse mesmo título, Sua grandeza representativa. Para usar de novo a Carta aos Hebreus, onde primeiramente Ele é constituído Herdeiro de todas as coisas, depois Ele é o “Capitão da salvação deles”, “conduzindo à gloria muitos filhos”. A palavra “capitão” seria melhor traduzida o “Pioneiro” da salvação deles. - Aquele que vem adiante para conduzir eles naquilo que Ele mesmo tem entrado. É claro, essa é a substância desta Carta aos Hebreus. Ele partiu antes; Ele entrou nos céus; Ele “penetrou os céus”; Ele passou por todo o caminho, e chegou ao final, como o Pioneiro de muitos filhos sendo conduzidos à glória, quem Ele chama Seus “irmãos”. Sua grandeza representativa, como lá no final, em plenitude, em glória – pois lá Ele representa todos aqueles que Ele vai conduzir e está conduzindo – quão grande é! Lemos em Apocalipse de uma “grande multidão que ninguém pode contar, de cada tribo, e língua, e povo... miríades de miríades e milhares...” Linguagem é sobrecarregada a ponto de ruptura para descrever o fruto dos sofrimentos do Cordeiro! E Ele é o Representativo em glória de todos eles. Quão grande é Sua Pessoa e Sua representação!

E em seguida, ,i>Sua grandeza oficial. Isso é visto através deste livro de Apocalipse, e novamente na Carta aos Hebreus. Sua grandeza oficial, como Sumo Sacerdote – que grande Sumo Sacerdote Ele é, de acordo a esse livro; que coisa tremenda Ele realiza! Pense nisso: de século após século, sacrifícios de cordeiros, e bodes, e touros e outras coisas – sangue suficiente para encher um oceano – durante todos os séculos, dia após dia, e nunca chegando a um fim em efetividade, no que respeita ao pecado: mas Ele, Uma Oferta – só uma! - foi muito para além de dez milhões de sacrifícios sobre altares judeus. Que grande foi Seu sacrifício, e Seu sacerdócio, enquanto Ele se oferecia a Si mesmo sem mancha a Deus, uma vez por todas.

E aqui, neste livro, quanto ao outro lado de Sua grandeza oficial, temos Sua descrição com “Rei de reis, e Senhor dos senhores”! Que coisa para se dizer, num dia em que esse tirano em Roma estava dominando o mundo, assumindo senhorio sobre todos os senhorios, e procurando sujeitar para si todo poder, não apenas na terra, mas no céu, já que alegava divindade. Nesse dia, o desvendar de Jesus Cristo é “Rei de reis” - sim, e Nero dentre eles! - “e Senhor de senhores”.

Para resumir: creio que teríamos bastantes melhores convertidos se fossem apresentados com um Cristo muito maior. Para qualquer um que não conhece em sua própria vida e experiência a salvação em Jesus Cristo, o que realmente significa nascer de novo – ser realmente um “filho de Deus”, e ,i>sabê-lo, ser capaz de se juntar vivamente com este apóstolo João quando disse, “Amado, agora nós somos filhos de Deus... vede que amor o Pai nos tem mostrado, para que fôssemos chamados filhos de Deus, e nós o somos!” - Para tais diria isto. Enquanto que Jesus seria seu Salvador, Quem perdoa seus pecados, e muitas outras coisas para você, Ele é muito, muito maior do que qualquer coisa que você puder imaginar. A salvação toma sua grandeza da medida do Salvador. Se você quer uma grande salvação, veja quão grande Salvador Ele é. E lembre que por causa do que Ele é, você não precisa de temer em colocar sua confiança Nele; você não precisa de temer que você não vai ser capaz de “continuar assim”! Não, você não precisa, mas Ele vai; Ele será capaz de manter você – Ele é grande o suficiente! Nós precisamos de um desvendar da grandeza de Jesus Cristo, para obter um melhor tipo de cristão.


Para a restauração de nossas perdas, e declínios, e fracassos espirituais, e libertação de todas essas coisas que são abomináveis para nós e para Ele, existe só um caminho, e esse é, realmente ver Sua grandeza. Se nós fazemos isso, não podemos viver num nível “pequeno”. Recentemente fui para o Planetário em Londres. A coisa que estava comigo, enquanto escutava a palestra, e mais tarde, fiquei, como é que alguém pode ser “pequeno” quando estão lidando com essas coisas todo o tempo! Suponho que é possível mesmo para um sujeito da Sociedade Astronômica ser um homem “pequeno” em caráter (não estou implicando isto sobre este homem, mas é possível!) Mas não é possível ter uma revelação da grandeza de Jesus Cristo e permanecer uma pessoa pequena! Oh, para nosso alargamento, nosso enobrecimento, nossa libertação de nossa mesquinhez, e tudo isto que é tão desprezível! Qual é a resposta? Um nova compreensão da Sua grandeza – isso é tudo!

E então, se estamos sofrendo; se estamos conhecendo adversidade e provação; se as nuvens parecem estar reunidas, e aumentando, como vamos conseguir atravessar? Somente saindo, e pedindo, procurando, buscando em oração uma nova revelação de coração, um novo desvendar, de Jesus Cristo, e isso certamente bastará.

Primeiramente publica na revista “Uma Testemunha e Um Testemunho” Jan-Fev 1960, Vol 38-1

Origem: "The Unveiling of Jesus Christ"