O Espírito Santo em Relação Ao Cristo Glorificado e Ao Crente - Parte 2
por T. Austin-Sparks

Por onde devemos começar quando queremos considerar a revelação do coração de Deus em Jesus Cristo naqueles anos? “Deus amou o mundo de tal maneira”. Pense na maneira em que João usa o próprio termo “Pai”. Isso é uma nova revelação, pela maior parte para a humanidade. Entra em plenitude e profundidade de significado no Novo Testamento, o qual é bem novo. O coração de Deus fica despido no Senhor Jesus. Oh sim, para a vergonha de nós Cristãos, muitas vezes, para a minha vergonha, talvez para a sua, a nossa atitude para com os pecadores, os desacreditados, os repugnantes, os repulsivos, os antagonísticos, os rejeitadores, os desprezadores, os maliciosos, muitas vezes, é tanta a diferença da atitude Dele. Que grande atitude Ele tomava. Sem tolerar o pecado, e nunca justificando o mal, no entanto, Ele prosseguia com um amor e uma benevolência, uma paciência e enternecimento que, digo, nos envergonha. Alguém tem a razão e um objetivo em vista ao dizer isto, para o qual estamos trabalhando num minuto. E a seguir, é claro, Seus três anos e meio foram para a manifestação do poder de Deus, as obras portentosas de Deus que foram forjadas por Ele e através Dele. O poder de Deus foi claramente demostrado e administrado por Ele. Os homens tinham uma oportunidade muito ampla de ver o poder de Deus manifesto através Dele. É claro, a apreciação de homens, homens carnais, homens mundanos, jaz em grande parte dentro da própria esfera deles do que é fisicamente demostrado. Eles não podem apreciar poder espiritual na esfera espiritual. Mas o poder de Deus lhes foi mostrado na esfera em que eles podiam reconhecê-lo. Todos os tipos de doenças, e enfermidades, como também o poder sobre a natureza, poder sobre condições temporais, poder em muitas esferas, e, é claro, poder na esfera espiritual, mas o homem não podia ir tão longe; mas estes anos foram ocupados com a demostração do poder do Pai, principalmente a favor do homem para seu bem, bendição e beneficio. Bem, isso tudo está muito claro, penso.

Mas o que dizer sobre a terceira fase, os quarenta dias? É uma fase de provação. Tem seu próprio significado, e foi para estabelecer o fato e natureza da perfeita redenção que Ele tinha realizado para o homem em espírito, alma e corpo. O registro é que “por muitas provas infalíveis” Ele apareceu a eles – Se deu a conhecer a eles – após a Sua ressurreição. Houve primeiramente o estabelecimento do fato de que Ele foi ressurreto, o fato de que Cristo, que tinha morto estava vivo. Leia em Atos 17:31 “Porque determinou um dia em que julgará o mundo com o rigor de sua justiça, por meio do homem que para isso estabeleceu”.

Aqui, na ressurreição você tem – embora Deus, Deus verdadeiro – contudo Homem num estado de perfeita redenção, onde todo o homem é representado em seu estado completamente remido. Os quarenta dias representam o homem em Cristo como Deus tenciona o homem ser. Por que Ele chama a atenção a Si mesmo como Ele faz, “Tocai-me e comprovai o que vos afirmo. Por que um espírito não tem carne nem ossos, como percebeis que Eu tenho”. “Coloca o teu dedo aqui; vê as minhas mãos” - “Observai as minhas mãos, vede que Sou o mesmo – tocai-me e comprovai”. Por que? E contudo, esse corpo, essa humanidade, que podia ser tocada, sentida, apalpada, podia atravessar portas que estavam trancadas, e ser achada a grandes distâncias num momento de tempo. Isso não é um espírito, isto é um corpo espiritual. Existe toda uma diferença entre um espírito e um corpo espiritual. Nós não vamos ser espíritos desencarnados flutuando ao redor, pelo ar. Nós vamos ter corpos glorificados, e aqui está o penhor, aqui está o tipo, aqui está a representação.

Quarenta dias é o período de provação na Bíblia, o qual sempre pretende resultar em glória. Quarenta dias para Israel deveria, no propósito de Deus, ter resultado em Canaã. Seus quarenta dias foram um período de provação para uma manifestação antecipada de Sua entrada na glória: - a manifestação, o estabelecimento do fato e natureza da redenção para o homem, a qual Ele realizou e reuniu na Sua própria Pessoa como representando o homem completamente remido, espírito, alma e corpo. É por isso que Cristo gastou trinta anos, três anos e meio, e quarenta dias aqui na terra.


Agora então, o que tem a ver com o Espírito Santo? Amado, por que o Espírito Santo veio? Dissemos, para tomar o lugar de Cristo aqui. Em outras palavras, o Espírito Santo está aqui para obrar interiormente nessa direção no crente: - como o Espírito do Cristo glorificado, ocasionar o nascimento, por assim dizer, de Cristo no interior. Aquele que completamente forma Cristo nesse crente, e conforma esse crente à imagem de Cristo até que, à parte de Sua Deidade e Divindade, haja uma manifestação de Cristo glorificado em cada crente na consumação da atividade redentora de Deus. Esse é o propósito do Espírito Santo ao estar aqui. Tomar Cristo na integralidade da Sua obra e Pessoa como Filho do Homem glorificado, e obrar nessa direção em cada crente. Mas volte pelo terreno. O Espírito Santo está aqui em relação aos trinta anos para trazer Cristo glorificado num vital relacionamento conosco, um relacionamento vital; aí está a contrapartida espiritual dos trinta anos. “Aquele que se une ao Senhor é um espírito” e o Espírito Santo está aqui para ligar Cristo a nós e nós a Cristo, numa unidade e relacionamento vital, de maneira que é “Cristo em nós” e “Cristo a nossa vida”. Você não pode ter nada mais total do que isso. Cristo a nossa vida. Aí está o relacionamento. Não quer dizer que Ele perde Sua pessoalidade ou Sua identidade individual, mas quer dizer que Ele liga a Si mesmo a nós e nós a Ele mesmo no novo nascimento para que sejamos um, e possamos dizer “Eu sou Dele e Ele é meu para sempre”, a unidade é absoluta.

A seguir, o Espírito Santo está aqui também em relação ao propósito dos três anos e meio, a manifestação da mente de Deus no crente: - tomando do celestial, das coisas Divinas, e as mostrando. Não há conhecimento de Deus em realidade, à parte do Espírito Santo. Não há conhecimento da mente de Deus sem o Espírito Santo. Mas Ele veio para que no nosso interior possa haver uma revelação da mente do Pai em Jesus Cristo. Diz o apóstolo João, “A unção que Dele recebestes permanece em vós, e não tendes necessidade de que alguém mais vos ensine sobre isso. A unção vos ensina sobretudo o que precisais saber”. “O que é espiritual pode discernir todas as coisas, e ele mesmo por ninguém é compreendido”. “Olho algum jamais viu, ouvido algum nunca ouviu e mente nenhuma imaginou o que Deus predispôs para aqueles que o amam. Deus todavia, o revelou a nós por intermédio do Espírito”. A revelação interior da mente de Deus é a obra do Espírito Santo, “O Espírito receberá do que é meu e vos anunciará”. “O Espírito não falará por si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e vos revelará tudo o que está por vir”. “Tudo quanto o Pai tem, pertence a mim. Por isso é que eu disse que o Espírito receberá do que é meu e o revelará a vós”. Observe que são as coisas do Pai entregues a Cristo, tomadas pelo Espírito Santo e reveladas a nós: - a mente, o amor. Oh, fiquemos aqui em coração, se não podemos em palavra, fique aqui em coração, pois é aqui onde precisamos o Espírito Santo, se há um lugar onde precisamos o Espírito Santo. Uma revelação do coração do Pai. O Espírito Santo veio como o Espírito de Cristo glorificado, tome esse objetivo de Ele estar aqui, e elabore esse objetivo agora, não como meramente um testemunho público histórico, mas como uma realidade espiritual interna, “o amor de Deus derramado nos nossos corações pelo Espírito Santo”. É a obra do Espírito Santo fazer isso, e não há amor nenhum que é verdadeiramente o amor de Deus, e que resista a prova e percorra todo o caminho que o amor de Deus percorre sem o Espírito Santo, mas recebido o Espírito Santo o amor se torna quase, estava indo dizer – omnipotente, recebido o Espírito Santo há pouco impossível na esfera do amor: mas oh, conhecemos tão pouco disso. É por isso que estou falando acerca da necessidade do Espírito Santo; mas se você e eu precisamos de uma coisa mais do que qualquer outra, é mais desse amor de Deus derramado no coração, vertido no coração pelo Espírito Santo. Acho que teremos de retornar a isso novamente antes de terminarmos.

Depois, a terceira coisa concernindo os três anos e meio – o poder de Deus. Isto novamente é algo a ser considerado por si mesmo, mas meramente o mencionaremos nesta conexão. “É para vosso bem que Eu parta. Se Eu não for, o Advogado não poderá vir para vós; mas se Eu for, Eu o enviarei”. “Mas se Eu for”. O que está ligado para nós na vinda do Espírito? “Aquele que crê em Mim fará também as obras que Eu faço e outras maiores fará, pois eu vou para meu Pai”. Isto é, com efeito, por causa de que ao Eu ir, o Espírito Santo vem! “E obras maiores fará”. Como? Por quê? Em tanto quanto o espiritual e eterno são maiores do que o físico e o temporal, nesse grau maiores obras são forjadas por você no poder do Espírito Santo. Eles não podiam apreciar isso naqueles dias. Seja que é preciso de mais poder para dizer “Levanta-te, toma a tua maca e sai andando” ou “estão perdoados de ti os pecados” - “Todavia, para que saibais que o Filho do homem tem na terra autoridade para perdoar pecados” - um sinal dessa coisa maior - “Dirigiu-se ao paralítico - Eu te ordeno: Levanta-te, toma tua maca e vai para tua casa”. Era um sinal de maior poder na esfera espiritual. É uma coisa muito maior levantar o espiritualmente morto do que o fisicamente morto; uma coisa muito maior abrir olhos cegos espiritualmente do que os naturais. O fisicamente ressuscitado dentre os mortos morrerá novamente, os que são cegos fisicamente podem ter seus olhos abertos e receberem a vista, mas são somente por setenta anos “ou a oitenta para os que têm mais saúde; entretanto, a maior parte dos anos é de labuta e sofrimentos”. O abrir espiritualmente os ouvidos surdos é maior do que abrir naturalmente os ouvidos surdos. “Obras maiores do que estas fará porque eu Vou para o Pai”. 'O Espírito Santo está vindo para fazer na esfera espiritual o que tenho estado fazendo em três anos e meio como somente um sinal”. Bem, eles passaram dessa esfera para uma esfera em que tudo era celestial, tudo espiritual, onde Deus não estava mais indo a fazer coisas para julgar e condenar duplamente uma raça incrédula.

“Obras maiores... porque Eu vou para o Pai”. Veja que o poder de Deus é para ser manifesto pelo Espírito Santo na esfera mais elevada da ressurreição espiritual, iluminação, vivificação, e todas essas atividades de contrapartida do que Cristo fez nos três anos e meio. O Espírito está aqui para assumir os três anos e meio, mas Ele está também aqui para assumir os quarenta dias. Oh não, não para nos dar corpos glorificados ou espiritualizados agora, mas, amado, se o Espírito Santo não entrar e começar a nos fazer homens e mulheres espirituais, com uma mente espiritual, e apreensão espiritual, e com sensibilidades espirituais, sentidos e faculdades, e as desenvolver, você pode ter por garantido que você nunca terá um corpo espiritual. É preciso de um homem interior espiritual para ter um homem exterior espiritual. “A cada espécie de semente dá seu corpo apropriado”. A semente do corpo da ressurreição é o Novo Homem, o Cristo no interior, e esse homem está sendo formado agora. Como Paulo orou “Meus amados filhos, novamente estou sofrendo como que com dores de parto por vossa causa, e isso até que Cristo seja completamente formado em vós”. Essa formação de Cristo no interior, e essa conformação à imagem de Cristo, é o movimento do Espírito para revestir esse novo homem interior com o corpo celestial. “A cada espécie de semente dá seu corpo apropriado”. E os quarenta dias representam esse modelo completo, o modelo da humanidade glorificada de Deus para a qual a entrada e atividade do Espírito Santo é direcionada a cada homem.

Ora, isso é tudo elementar e simples, pois disse que o reduziria a umas poucas proposições concretas. Existem uns fatos primários básicos que devem ser estabelecidos de uma vez por todas por nós, e ao mencionarmos eles, possivelmente encerraremos.

Primeiramente, salvação do incio até o final, desde o primeiro exercício simples de fé direto por todo seu curso e desenvolvimento até o último toque de uma glorificação instantânea, a totalidade desde o principio até o fim é inseparável do Senhor Jesus em Pessoa. Essa é uma declaração simples. Você não precisa usar tantas palavras quantas eu usei, o coloque nas suas próprias palavras. Salvação do inicio até o final é inseparável do Senhor Jesus em Pessoa. É a “salvação que está em Cristo Jesus” e não existe outra fora. Essa é a primeira coisa que tem de ser resolvida logo de uma vez. Você não pode chegar ao Senhor Jesus como você iria para uma mercearia e obter salvação, e levá-la embora num pacote. Desculpe pela maneira de colocar isso, mas algumas pessoas falam sobre a salvação como se fosse alguma coisa que eles têm. Nós nunca obtemos salvação como algo, mas como alguém. A totalidade da salvação em cada parte e fragmento está ligada a Cristo em Pessoa, e você não pode separar a coisa Dele. É Cristo, e não salvação como algo em si mesmo.

Em segundo lugar, Cristo é o representativo pessoal da nova criação de Deus, isto é, em ressurreição. Veja Cristo em ressurreição e você verá o representativo pessoal em plenitude da nova criação, o homem da nova criação de Deus.

Em terceiro lugar, o Espírito Santo é o representativo pessoal de Cristo. Eles são um, Ele é o Espírito de Cristo. Como tal, Ele é o Espírito da nova criação.

Agora você junta essas três coisas antes de ir mais longe e você vê; a salvação em sua inteireza é inseparável de Cristo em Pessoa. Cristo é o representativo da nova criação de Deus: você tem Cristo, você tem a nova criação de Deus, você tem tudo o que está incluído na nova criação. O Espírito Santo é o representativo pessoal de Cristo; eles são um, e Ele é o Espírito da nova criação; portanto, quando somos salvos, é que o Espírito Santo trouce Cristo como a nova criação aos nossos corações, o representativo da nova criação de Deus entrou, e a partir desse momento tudo é relacionado a Cristo no nosso interior, o Espírito Santo trabalhando em relação a Cristo em nós. E depois finalmente, a nova criação é portanto, toda de Deus. Se Cristo é tudo de Deus, e a nova criação é Cristo habitando no interior do espírito renovado, então a nova criação tem uma nova natureza. Essa não está em nosso eu, isso é Cristo, e é Cristo em nosso espírito renovado. Seja que vivamos na nova ou na velha, depende de se estamos vivendo no Espírito ou na carne; isso abre toda essa esfera da carne e espírito. Se andamos no Espírito não satisfaremos as vontades da carne, mas há essa habitação Representativa da nova criação de Deus, a qual é completa e totalmente de Deus em sua natureza. Sim, em mente, a mente de Cristo; o coração, sim, o coração de Cristo; a vontade, sim, a vontade de Cristo, como a mente, coração e vontade de Deus estavam Nele, agora estão em nós pelo Espírito Santo. Disposição Divina esta lá pelo Espírito Santo como Representativo Pessoal de Cristo, está aqui, uma disposição divina.

Agora, como acabamos de dizer, tudo para nós a partir dessa hora depende de se vamos ser totalmente, absolutamente rendidos e governados pelo Espírito Santo, o Espírito de Cristo, e deixar Ele trabalhar tanto em nós e nós cooperarmos tanto com Ele em Sua operação em nós que a mente que é a mente do Senhor, o coração que é o coração do Senhor, a vontade que é a vontade do Senhor, a disposição que é a disposição do Senhor, cresce, transcendendo todo o tempo a velha mente, coração, vontade, disposição, e Cristo sendo assim completamente formado em nós. Isso é nova criação em Cristo Jesus.

Minha ênfase no momento é sobre isto, que a nova criação é toda de Deus, e na medida em que, amado, não formos tudo de Deus em mente, coração, vontade, disposição, ou em qualquer outra maneira, nesse grau teremos carecido da plena obra do Espírito Santo. Ora, isso não é dito para condenar ou julgar, pois quem nesta terra pode jamais alegar ter alcançado a plenitude da obra do Espírito Santo neles? Nenhum de nós aqui faria tal alegação, mas alguém o diz a fim de destacar que quando fica em evidência, com nossa mente, vontade, disposição, quando começamos a permitir isso se fazer valer, se mostrar, se intrometer, quando permitimos isso de qualquer modo, e não nos voltamos contra isso imediatamente no poder da morte de Cristo e o repudiar, nessa medida não estaremos andando após o Espírito, nessa medida estaremos falhando em reconhecer esta grande coisa, que a nova criação é toda de Deus. Oh, que imediatamente nos voltemos contra qualquer tipo de exibição de nós mesmos e dizer “isso não é de Deus”, não o dispensar, não o encobrir, não dizendo que isso é minha fraqueza, enfermidade, meu temperamento; não, isso não é de Deus, isso não é a nova criação, isso não é o Espírito Santo! É dessa maneira que devemos lidar com as coisas. Você e eu devemos aprender a lidar com as coisas assim e isso é andar após o espírito. Você percebe que o Espírito Santo coopera com isso, pois Ele veio como o Espírito do Cristo glorificado. E o que é isso? Tudo o que não pode ser glorificado tem que ser posto de lado por essa cruz, pois Deus tem glorificado o velho homem ainda, e o Espírito não tem entrado para glorificar ou dispensar nosso velho homem, Ele entrou para fazer com ele o que Cristo fez com ele na cruz, eliminá-lo.

Temos muito trabalho a fazer, não temos? Mas lembre, este é o caminho do Espírito e enquanto isso possa parecer uma proposição apavorante do lado positivo, amado, “Aquele que está em você é maior do que aquele que está no mundo”. O Espírito Santo é mais poderoso do que nossa carne. O Espírito Santo é mais poderoso do que o velho homem. Cristo, pelo Espírito Eterno reuniu todo o velho homem de milhares de gerações e provou ser mais que o suficiente, triunfante sobre todo o poder da humanidade caída; e o poder do Espírito, esse Espírito dO glorificado é por nós. Para mim é tremendo que Deus tenha glorificado o homem, uma coisa que Ele não poderia fazer com um homem de todos os milhões prolíficos desde Adão até Cristo; Ele nunca poderia glorificar o homem até que Cristo viesse e pusesse esse homem de lado para sempre, e todo o pecado associado com ele, e Ele é o tipo e representativo da humanidade que Deus terá quando a redenção tenha executado seu curso. Essa é nossa esperança, e Aquele está em nós pelo Espírito Santo. Qual esperança? - “Cristo em vós a esperança da glória”.

Primeiramente publicado na revista "Uma Testemunha e Um Testemunho" 1932, Volume 10-4.

Origem: "The Holy Spirit in Relation to The Glorified Christ and The Believer"