Temor
por T. Austin-Sparks


“Para isto o subornaram, para me atemorizar, e para que eu, assim, viesse a proceder e a pecar, para que tivessem motivo de me infamar e me vituperassem. Lembra-te, meu Deus, de Tobias e de Sambalate, no tocante a estas suas obras, e também da profetisa Noadia e dos mais profetas que procuraram atemorizar-me.” (Ne 6:13-14).

“Porque não recebestes o espírito de escravidão, para viverdes, outra vez, atemorizados, mas recebestes o espírito de adoção, baseados no qual clamamos: Aba, Pai.” (Rm 8:15).

“Porque Deus não nos tem dado espírito de covardia, mas de poder, de amor e de moderação.” (1 Tm 1:7).

“No amor não existe medo; antes, o perfeito amor lança fora o medo. Ora, o medo produz tormento; logo, aquele que teme não é aperfeiçoado no amor.”
(1 Jo 4:18).

“Quanto, porém, aos covardes, aos incrédulos, aos abomináveis, aos assassinos, aos impuros, aos feiticeiros, aos idólatras e a todos os mentirosos, a parte que lhes cabe será no lago que arde com fogo e enxofre, a saber, a segunda morte.” Ap 21:8).

“O SENHOR é a minha luz e a minha salvação; de quem terei medo? O SENHOR é a fortaleza da minha vida; a quem temerei?... Ainda que um exército se acampe contra mim, não se atemorizará o meu coração; e, se estourar contra mim a guerra, ainda assim terei confiança.” (Sl 27:1;3).

***

“O temor do SENHOR é o princípio (a parte principal) do saber.” (Pv 1:7).

“Não há temor de Deus diante de seus olhos.” (Rm 3:18).

“Tendo, pois, ó amados, tais promessas, purifiquemo-nos de toda impureza, tanto da carne como do espírito, aperfeiçoando a nossa santidade no temor de Deus.” (2 Co 7:1).

“sujeitando- vos uns aos outros no temor de Cristo” (Ef 5:21).

“Assim, pois, amados meus, como sempre obedecestes, não só na minha presença, porém, muito mais agora, na minha ausência, desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor” (Fp 2:12).

“Ora, se invocais como Pai aquele que, sem acepção de pessoas, julga segundo as obras de cada um, portai- vos com temor durante o tempo da vossa peregrinação” (1 Pe 1:17).

“Em cada alma havia temor” (At 2:43).

“Ouvindo estas palavras, Ananias caiu e expirou, sobrevindo grande temor a todos os ouvintes... E sobreveio grande temor a toda a igreja e a todos quantos ouviram a notícia destes acontecimentos.” (At 5:5,11).

“A igreja, na verdade, tinha paz por toda a Judéia, Galiléia e Samaria, edificando- se e caminhando no temor do Senhor, e, no conforto do Espírito Santo, crescia em número.” (At 9:31).

“Chegou este fato ao conhecimento de todos, assim judeus como gregos habitantes de Éfeso; veio temor sobre todos eles, e o nome do Senhor Jesus era engrandecido.” (At 19:17).

“Sucedeu, porém, que, depois, sentiu Davi bater-lhe o coração, por ter cortado a orla do manto de Saul; e disse aos seus homens: O SENHOR me guarde de que eu faça tal coisa ao meu senhor, isto é, que eu estenda a mão contra ele, pois é o ungido do SENHOR.” (1 Sm 24:5,6).


Esses dois grupos de versículos falam por si. Penso que seria bom se pudéssemos passar um tempo meditando neles. O que vou dizer agora de maneira alguma vai cobrir todo o assunto. No entanto, confio que será útil o Senhor nos trazer algo que Ele possa usar futuramente em nossa meditação e reflexão.

Entre os piores males revelados na Palavra de Deus existem dois que são relacionados a uma só coisa, e ela é o temor. Por um lado, existe o flagelo do medo; e, por outro, existe o mal, o terrível mal, de não temer. Para ambos os males o Senhor lidou com Seu povo de forma muito séria, e, se você olhar novamente, vai ver que menções muito fortes na Palavra de Deus no sentido de condenar ambos – temer e não temer.

Toda a Palavra de Deus é cortada por grandes condenações do medo. Poderíamos gastar horas juntando versículos sobre isso. São quase que incontáveis exortações para não temer. Então, por outro lado, existem tons mais solenes, até mais explícitos em atos que palavras - grandes exortações por não temer. Vamos meditar nesses dois males em conexão como medo.

O Mal do Medo

A maioria de nós não precisa ser informada que uma das armas mais bem sucedidas e potentes de Satanás contra os filhos de Deus é o medo. Ele dirige, assedia, atormenta, preocupa; sim, ele usa essa arma para causar a ruína do povo de Deus. Quantos dentre o povo de Deus são encontrados em estado de fraqueza, impotência e paralisia por causa do medo! Eles estão temerosos. Quantos são encontrados em um estado de indecisão, incapazes de dar nenhum passo seguro, definido e firme por causa do medo. Todos estão se movendo tão cuidadosamente, com tanta incerteza, porque estarem com medo, temerosos. Multidões dentre o povo de Deus estão em um estado de derrota espiritual porque o medo está operando de alguma forma – pressentimento, medo, apreensão. Medo, disse João acertadamente, traz tormento, e é possível estar em um estado tal onde você está com medo de sair de sua casa por meia hora por achar que pode voltar e descobrir que algo deu errado, ou pode temer fazer uma viagem desejando o tempo todo manter contato com os seus. Você está com medo. É algo terrível esse medo, e são inúmeras maneiras que o inimigo aflige os filhos de Deus com essa vara, esse chicote.

A palavra de Deus é muito forte em relação a esse assunto. “Porque não recebestes o espírito de escravidão”, e vamos de uma vez por todas definir esse tipo de medo e desembaraçar do outro tipo de temor que vamos abordar o tipo certo. Eu penso que essa falha em discriminar esse ponto é talvez a raiz da maior parte das derrotas. Medo – sim, somos ordenados a temer, o temor do Senhor. “O temor do SENHOR é o princípio do saber”. Devemos temer cometer erros para não entristecer o Senhor, devemos temer isto e aquilo. Mas temos que separar bem o medo do diabo e o temor do Senhor! Eles são muito diferentes, e vamos deixar bem claro de uma vez por todas que este tipo de assédio, medo opressor vem direto do abismo, nasce no inferno, e é uma arma forjada lá pelo próprio diabo contra os filhos de Deus. Fique bem claro no seu coração para sempre que esse tipo de medo não vem do Senhor. Esse medo vem de Satanás. Acredito que é muito importante para o povo de Deus entender esse assunto do temor. Quando você se encontrar nesse estado por causa do medo, você deve dizer, “Isso não é de Deus!” O Medo é uma das principais armas de Satanás, e você tem que se libertar dele pelo Nome do Senhor.

O que o inimigo busca? É sempre bom perguntarmos a nós mesmos qual o efeito disso em nossas vidas. Eu posso muito facilmente descobrir de onde algo vem se perceber o efeito que ele gera. Se algo me paralisa, mina a certeza, confiança, firmeza do meu coração, se tira a firmeza da minha caminhada, do meu passo, se me prende em fraqueza e paralisia de forma que temo me movimentar, então isso não é de Deus. Deus quer que Seu povo siga em frente com segurança e confiança, com um passo firme e estável, e não devemos ter em nossos corações uma dúvida constante e paralisante. Qual é o efeito? Reconheça o efeito e saberá de onde vem.

O que Satanás busca? Você diz: “me paralisar, destruir, aprisionar”. Sim, mas isso é secundário! Ele buscar desonrar a Deus, e Deus é desonrado quando Seu povo teme. Esse sempre foi o alvo de Satanás na obra de Deus, ele apontou seu golpe para desonrar a Deus, e Deus é desonrado quando seu povo está temeroso. O que é medo, afinal? É a falta de confiança, a falta de fé. João diz que ele é oposto ao amor. Não há medo no amor. O amor perfeito lança fora o medo, e aquele que teme não é aperfeiçoado no amor. O medo é oposto ao amor, e o que é amor senão confiança? Nenhum de nós vai concordar que somos amados se não somos considerados confiáveis. Exigimos absoluta confiança como marca do amor. Quando temos reservas sobre aquilo que amamos, nosso amor é fingido. Apenas um sentimento vazio diz, “Eu te amo, mas não confio em você”. Não! Esse é o único tipo de amor que nós realmente, em nossos corações, podemos acreditar e aceitar. Um monte de pessoas diz que me ama, mas eu sei que elas têm grandes dúvidas e suspeitas sobre mim. Eu digo que esse tipo de amor não é bom, não me ajuda muito. Não nos leva a lugar nenhum manter sempre uma sombra em meio a tudo. Mas leve isso à esfera divina. Pode isso ser tolerado em relação a Deus? Eu amo a Deus, mas não confio nEle, não estou seguro a respeito dEle. Temo que amanhã possa sair e algo possa dar errado, que o Senhor me deixe na não. Você vê, é muito prático. O perfeito amor lança fora todo o medo. E por meio desse medo e temor Satanás está buscando desonrar Deus nos deixando em um estado de incerteza a respeito dEle, coloca uma reserva em nossa confiança e segurança. O medo é oposto à confiança (Is 12:2). Essas duas coisas não podem viver juntas – medo e confiança. “O SENHOR é a minha luz e a minha salvação; de quem terei medo? O SENHOR é a fortaleza da minha vida; a quem temerei?” (Sl 27:1). Oh! Quanto o inimigo ganha do Senhor nessa linha do medo!

Mas, é claro, esse medo é algo muito real e, apesar da Palavra de Deus não usar essa frase, nós temos razões para crer que entre as hostes de espíritos malignos, existem definitivamente espíritos de medo. Isso porque muitas vezes essas coisas são exteriores a nós, vem sobre nós. É algo que acontece conosco em alguns momentos. Nos encontramos atemorizados. O inimigo deseja nos manter atemorizados e seus espíritos de medo são enviados para isso. Deve haver uma atitude forte e definida em nosso espírito diante do Senhor para resistir ao diabo. Quando nós falamos diabo, queremos dizer suas hostes também; independente de como ele surgir – devemos resistir ao medo. Isto é uma resolução – “Eu VOU confiar, não vou temer – porque o Senhor...”.

Isso é tudo que eu vou dizer no momento sobre o mal do medo. Eu quero que você tome essa palavra e a guarde no seu coração, gaste tempo com ela, porque eu estou convencido que o inimigo está exercendo muita pressão nessa linha. Você percebe o que Neemias disse? Isso é muito significativo! Tenho certeza que Neemias disse algo mais do que ele mesmo tinha consciência! Ele disse algo que cobre uma grande parte do Novo Testamento. Ele disse, “Para isto o subornaram, para me atemorizar, e para que eu, assim, viesse a proceder e a pecar”. Sim, mas isso é apenas parte da afirmação. E então? “para que tivessem motivo de me infamar e me vituperassem”. O que o inimigo busca o tempo todo é, acima de tudo, nos deixar atemorizados, e então nos levar a dar passos, fazer algo por causa do medo, e então ele vai voltar e nos acusar diante de Deus. Quão cruel, sutil, quão maligno! – mas não tem qualquer consequência para ele. Ele busca derrubar os santos pela acusação, e se ele pode levá-los a agir ou deixar de fazer algo devido ao medo, ele conseguiu o que queria. Não vai demorar até que ele retorne no mesmo ponto para acusar, condenar e angustiar.

O Mal de não Temer

Vamos então passar para o outro tipo – o mal de não temer. Este, no entanto, é outro tipo de temor, temor do Senhor, andar em temor ao Senhor, plena santidade em temor, nos submetermos um ao outro no temor do Senhor. “Sobreveio grande temor a toda a igreja” – qual é o resultado? Perderam as forças por estar temerosos, ficaram paralisados? Não! – o Nome do Senhor Jesus foi glorificado e a Igreja se multiplicou. Oh, isso então, deve ser outro tipo de temor. Esse temor opera de maneira exatamente oposta àquele do qual estávamos falando.

O que é temor? Bem, é o temor por devoção ao Senhor. É esse temor que, em primeiro lugar, tem todas as questões relacionadas ao relacionamento com o Senhor resolvidas, tem toda a questão da aceitação pelo Senhor definida, a questão do pecado saiu do caminho pela justiça que vem pela fé. Então o temor do Senhor significa reconhecer Sua glória, Sua grandeza, Sua santidade, majestade, em uma humilde submissão a Ele no temor de não ir contra Ele ou desonra-Lo. Este é outro tipo de temor, o temor em devoção ao Senhor, e a principal característica desse temor é a mansidão. E aí é onde o pecado de não temer é encontrado na Palavra de Deus.

Se você percorrer a Palavra vai perceber que nas diversas situações onde Deus se manifestou em julgamento pela falta de temor, você vai encontrar algo assim. Em Números 16 temos Datã, Abirão e sua companhia. O que eles estão fazendo? Para Moisés, o homem mais manso da terra, o servo ungido do Senhor, eles dizem, “Você toma muito para você. Você não é o único através de quem o Senhor fala. Somos tão filhos de Deus quanto você!” Foi assim que eles falaram, eles não temeram colocar as mãos sobre aquele que era ungido. Não é que Moisés fosse alguma coisa, mas havia a unção. Eles foram considerados culpados pelo pecado de presunção espiritual, isso ocorreu por falta de mansidão. O Senhor surgiu em um terrível julgamento, mostrando em todo tempo que quando o Senhor unge alguém ou algo, aquela unção não é algo que constitui aquela pessoa como especial. A unção é o Senhor, o Próprio Senhor. O Senhor está naquilo, o Próprio Senhor está lá, e quando você toca lá, toca no Senhor, pode ser em palavras, você toca o Senhor, pode ser em ações, mas você toca o Senhor. “A ninguém permitiu que os oprimisse; antes, por amor deles, repreendeu a reis, dizendo: Não toqueis nos meus ungidos, nem maltrateis os meus profetas” (Sl 105:14,15).

Se temos uma mínima razão para concluir que o Senhor está em qualquer lugar ou em qualquer pessoa, em algo ou alguém, será um risco tocarmos ali sem o temor do Senhor. Isso é algo muito importante. Podemos ler um pouco 1 Samuel. Sim, Davi era ungido, Davi era o escolhido de Deus, mas Saul também foi ungido e ainda não estava vivo. Saul ainda não havia sido finalmente colocado de lado, apesar de potencialmente. Davi teve uma oportunidade de cortar a veste de Saul e então disse, “bateu-me o coração”. O seu coração o corrigiu. No tempo do Novo Testamento, quando o Espírito habita em nós dizemos, “O Senhor me repreendeu, pesou-me o coração, no meu espírito”. Isso acontece repetidamente, exatamente o que aconteceu quando a arca estava sendo trazida de volta para Jerusalém. Quando Uzá morreu diante do Senhor, qual foi a razão? Foi falta de temor do Senhor. Havia uma presunção. Houve uma iniciativa de estender a mão e tocar nas coisas santas. Isso é terrível. O mal de não temer. Isso vem de uma apreensão insuficiente do quão sagrado é aquilo que é de Deus.

Mas esse temor é santo. Que nenhum de nós pense por um momento que esse temor do Senhor é morte, escravidão, repressão. De forma nenhuma. Onde quer que você encontre o temor do Senhor você encontra alegria, amor, paz e liberdade. As pessoas não tem medo do Senhor. Mas elas tem o cuidado de não O entristecer. Elas não tomam liberdades com o Senhor. Elas não veem a liberdade espiritual como licenciosidade. Elas não se corrompem, não passam por cima das coisas sagradas, chamando isso de liberdade. Não, existe um santo temor que restringe e isso torna as coisas puras. Isso deixa um caminho livre para o Senhor. O verdadeiro temor do Senhor não é pavor. É algo abençoado e precioso.

O que desejo colocar é o seguinte: esse tipo de temor, o temor do Senhor, é algo que dá a Ele um caminho livre para fazer o que Ele quer. “Para esse eu olharei...” – e quanta coisa está atrelada a essa frase. Isso não apenas significa que o Senhor nos vê, olha em nossa direção. Quando o Senhor olha para nós, lá está tudo o que Ele deseja. Tudo o que buscamos é a luz de Sua face. Se o Senhor olha para nós, é como o sol com todos os seus raios abençoados de calor, luz e energia. “...mas o homem para quem olharei é este: o aflito e abatido de espírito e que treme da minha palavra.” (Is 66:2). Você deseja aumentar em entendimento espiritual, conhecimento, revelação? Desejamos crescer na força do Senhor? Desejamos plenitude? Deixe-me dizer que isso vai acontecer com o homem humilde, o fraco, o manso aos olhos do Senhor, aquele que treme da Sua palavra, que não se considera nada.

Vamos pedir ao Senhor que possamos ser encontrados em verdadeiro temor que é amor, não no medo que é contrário a Ele – mas o santo temor que é amor. O Senhor será capaz de ir em frente e nos guiar para Sua plenitude se Ele encontrar essa qualidade em nós. Essa qualidade traduz que vamos honrá-Lo, reconhece-Lo, confiar Nele, com plena confiança. E que sejamos muito reticentes contra qualquer palavra de crítica, julgamento ou qualquer outra forma de colocar nossas mãos naquilo que é santo ao Senhor, até mesmo um filho de Deus. Se é um filho de Deus, então o Senhor está nele e devemos ser muito cuidadosos. Isso é o que significa temer, e a questão da bênção do Senhor que enriquece, da luz da Sua face é algo muito prático. Tudo depende de como é nossa atitude em relação a outros filhos de Deus. Toda a plenitude de Cristo deve ser suspendida e retida de nós porque falamos injuriosamente daquilo que é precioso para Deus, se criticamos, julgamos ou pensamos que podemos melhora-lo. O Senhor vai se retirar.

Vamos pedir ao Senhor para colocar o Seu temor em nosso coração enquanto por outro lado, Ele está buscando nos tirar daquilo que é mau e que O desonra. Eu apenas trago isso a você para que medite em oração. Busque o Senhor em relação a isso. Não se esqueça do caminho do inimigo na linha do medo, mas não esqueça que a libertação do tipo de medo do inimigo não nos faz engolidores de fogo que não se importam com nada e pisam por cima das coisas sagradas porque são tão corajosos. Não, existe uma coragem certa e uma coragem errada, um temor certo e um medo errado. Que o Senhor nos ensine o significado disso!

Editado e fornecido por Golden Candlestick Trust.

Origem:"Fear"