Ministério Profético
por T. Austin-Sparks

Capítulo 4 - A Visão que Constitui a Vocação

"Pois os que habitam em Jerusalém, e suas autoridades, porquanto não conheceram a este Jesus, nem as vozes dos profetas que são lidos todos os sábados, condenando-O, cumprindo as profecias." (Atos 13:27).

Comentamos no início do capítulo anterior que a afirmação acima indica que há algo mais do que leitura audível da Palavra de Deus. "As vozes dos profetas". O que os profetas estavam dizendo? - não, quais foram as palavras literalmente usadas pelos profetas, as sentenças e declarações, a forma de seus pronunciamentos, mas a que de fato tudo aquilo se referia em efeito? Aquelas autoridades e habitantes de Jerusalém podiam ter citado os profetas sem dificuldade: provavelmente podiam ter recitado os conteúdos de todos os livros. Eles estavam bem 'treinados' sobre o conteúdo das Escrituras do Velho Testamento, porém jamais paravam para fazer perguntas simples: 'A que isto se refere? Qual realmente é a implicação disso? O que estes homens procuram?' E porque eles nunca faziam isso, jamais iam para além da carta.

Vocação Esquecida Devido a Perda de Visão

Fazemos estas perguntas agora. O que é isto que está dentro, por trás, e mais fundo do que as declarações escritas e faladas dos profetas? Sabemos que os profetas estavam lidando com uma situação que de forma alguma representava o pensamento de Deus em relação ao Seu povo. Eu poderia deixar a coisa mais forte que isso e dizer que a situação estava muito longe do planejado por Deus; mas tenho condições presentes em minha mente, mais do que algum estado extremo de coisas, e assim simplesmente digo que a condição realmente não representava então, nem representa agora, a vontade e intenção do Senhor no que se refere ao Seu povo. Os profetas estavam lidando com tal situação, e, porque era desta maneira, a real vocação do povo de Deus não estava sendo cumprida. Eles estavam fracassando naquilo para o qual o Senhor realmente os tinha trazido à existência. Considerando que eles deviam ter sido um povo de tremenda força espiritual no meio das nações, com um real impacto sobre as nações, com uma nota de grande autoridade que tinha que ser levado em conta - "Assim diz o Senhor", declarado de tal forma que as pessoas tinham que dar ouvido - considerando que deveria ter sido desta maneira, eles estavam fracassando. Havia fraqueza e fracasso. Os profetas procuraram chegar à raiz da situação. Havia todo tipo de coisas a que os profetas se referiram - pecados e assim por diante; mas os profetas eram unânimes em uma coisa em particular: que a causa daquelas situações, que resultavam neste grande fracasso, era a perda da visão. O povo tinha perdido visão original, a visão que um dia tinha sido clara para eles. Quando Deus colocou Sua mão sobre eles e os tirou do Egito, eles tiveram uma visão. Eles viram o propósito e a intenção de Deus. A visão se tornou a exultante nota de sua canção do outro lado do Mar Vermelho. Eu não vou me ater no momento com o que era o propósito. Mas eles eram um povo a quem Deus tinha dado uma visão de Seu propósito em relação a eles, tanto em relação a eles próprios quanto a vocação deles. Eles a tinham perdido, e este era o resultado; e os profetas, ao lidar com isso, permaneceram firmemente sobre esta única coisa; 'A vocação de vocês em sua plenitude de realização depende de sua visão, e plenitude de vocação requer plenitude de visão'. Isto significa que, se a sua visão se tornar menor do que a plenitude de Deus, você apenas irá chegar até aqui, e então irá parar. Se você estiver prosseguindo diretamente para tudo aquilo que Deus planejou ao constituí-lo como Seu vaso, você deve ter plenitude de visão; Deus nunca fica satisfeito com qualquer coisa que não seja plenitude. O próprio fato de que você não consegue ir mais longe do que sua visão lhe permite é a maneira de Deus dizer: 'Você precisa ter plenitude de visão se quiser chegar à plenitude do propósito e da realização'.

Este é o próprio fundamento daquilo com o qual estamos ocupados agora. Os profetas estavam sempre falando sobre isso. Anteriormente citamos Oséias 4:6: 'Meu povo está destruído por falta de conhecimento; porque tu rejeitaste o conhecimento, também Eu te rejeitei para que não sejas sacerdote diante de Mim'. Isto é o mesmo que dizer, em outras palavras: 'Meu povo está em pedaços por falta de visão; vocês têm fechado os olhos para o propósito que tenho apresentado a vocês; Eu não tenho mais nenhum uso para vocês'; e esta é uma declaração bastante forte. Ela se liga a outra passagem: "Israel foi devorado; agora está entre as nações como um vaso em que ninguém tem prazer". (Oséias 8:8)

Se você quiser obter a força total disso, olhe para uma palavra nas profecias de Jeremias. "É este homem Conias um vaso desprezado e quebrado? É ele um vaso de que ninguém se agrada? Por que razão foram ele e a sua linhagem arremessados e arrojados para uma terra que não conhecem? Ó terra, terra, terra; ouve a palavra do Senhor. Assim diz o Senhor: Escrevei que este homem fica sem filhos, homem que não prosperará nos seus dias; pois nenhum da sua linhagem prosperará para assentar-se sobre o trono de Davi e reinar daqui em diante em Judá". (Jer. 22:28-30) "Israel...entre as nações como um vaso que ninguém tem prazer...escrevei que este homem fica sem filhos". Não há futuro para um vaso como esse. Podemos muito bem dizer de Israel como de Conias: 'Escrevei que este homem fica sem filhos". Isto é um fim. Uma continuação, ir diretamente até o fim sem qualquer impedimento, exige plenitude de visão.

Visão, não Conhecimento de Fatos, Qualifica Para a Vocação

Preste atenção a isto, especialmente os meus irmãos e irmãs mais jovens em Cristo. O cumprimento daquilo para o qual você foi chamado pela graça de Deus - o que você pode chamar de serviço de Deus, a obra de Deus; o que iremos resumir como a Divina vocação - precisa se basear sobre uma visão que o Senhor tem dado a você: a visão, naturalmente, não é apenas algo em si mesma, mas é a visão que Ele tem dado a você sobre a Sua Igreja. Você precisa ter isso. Então, a medida na qual você for seguir rumo à plenitude, esta será a medida da sua visão - a medida na qual você tem chegado pessoalmente para possuir aquela visão Divina. Pode haver muitas coisas, que não a visão, que levam você para a obra cristã. Você pode ouvir um apelo para obreiros, um apelo para missionários, um apelo para o serviço, baseado na Escritura - "Ide por todo o mundo e pregai o evangelho" - e assim por diante. E com os complementos daquele apelo você pode ser movido, ficar estimulado, e pode tomar aquilo como uma chamada Divina. Eu não estou dizendo que ninguém nunca tenha verdadeiramente servido o Senhor nesta base: não me interprete mal; mas quero dizer de fato que pode haver tudo isso, e de forma muito intensa, e, contudo, aquilo não ser sua própria visão, mas a visão de outra pessoa que está sendo passada a você, e isto não irá prosperar.

'Mas', você diz, 'há uma Escritura - Ide por todo o mundo e pregai o evangelho'. Lembre-se, aquelas pessoas a quem essas palavras foram dirigidas tinham todos os fatos a respeito de Cristo - a encarnação, o nascimento virginal, Sua vida, Seu ensino, Seus milagres, Sua Cruz, e todas as atestações celestiais que acompanhavam. Alguns daqueles mesmos homens - os discípulos de João - estavam lá quando a voz do céu disse: "Este é o meu Filho Amado". Outros estavam na montanha quando novamente a voz falou: "Este é o Meu Filho Amado". Eles viram a transfiguração, viram Sua ressurreição. Não é isto suficiente para sair ao mundo - toda essa quantidade de fatos poderosos? Certamente eles podiam ir e proclamar aquilo que eles conheciam? Mas não - "Ficai em Jerusalém".

O que finalmente os constituiu como homens que podiam cumprir e obedecer aquele mandamento de ir? 'Bem', você diz, 'naturalmente foi a presença do Espírito Santo'. Perfeitamente verdadeiro. Mas não estava lá alguém mais? Por que os quarenta dias após a Sua ressurreição? Você não acha que eles estavam penetrando as aparências, os eventos, e estavam enxergando algo - vendo o que nenhum olho humano podia ver, o que jamais poderia ser visto por meio de alguma demonstração objetiva? Se o apóstolo Paulo é alguma coisa no qual se basear nesta questão, ele irá nos dizer muito claramente que toda sua vida, ministério e comissão foram baseados nesta única coisa: "Aprouve a Deus ... revelar Seu Filho em mim, para que eu pudesse anunciá-lo entre os gentios". "Faço-vos, porém, saber, irmãos, que o evangelho por mim anunciado não é segundo o homem, porque eu não o recebi, nem o aprendi de homem algum, mas mediante revelação de Jesus Cristo". (Gálatas 1:15,16; 11,12)

Todas as demais coisas podem ser fatos que possuímos por meio da leitura de nosso Novo Testamento. Nós temos todo ele e podemos crer nele como a substância do Cristianismo. Isto não faz de nós missionários para sair e proclamar os fatos de Cristo - fatos são o que eles são. Não é assim. Quantos têm agido assim! Até onde eles têm chegado? Vão até certo ponto e param. Não podemos permanecer na limitação. Caros amigos, há uma terrível limitação na Igreja neste exato momento, limitação de conhecimento do Senhor, até mesmo da parte dos que têm sido servos do Senhor por um longo período de anos. Há muitos cristãos, mesmo cristãos antigos, com quem é muito difícil conversar sobre as coisas do Senhor.

Visão - O Propósito Pleno de Deus Na Redenção

Mas voltando a Israel: Você não encontra nada sobre Israel que sugira ou indique que eles saíram do Egito, que permaneceram no deserto e mais tarde na terra, a fim de declarar como seu evangelho que Deus os havia tirado da terra do Egito. Não era esta a mensagem deles. Naturalmente, isto é repetido muitas vezes, porém esta não era a mensagem deles, não o que eles proclamavam. O que era aquilo que estava sempre diante da vista deles? Era aquilo para o qual eles haviam sido tirados do Egito. Era a visão de Deus em trazê-los de lá. Muitos de nós nos limitamos a pregar apenas o lado da 'saída' - a salvação do pecado, do mundo. A coisa se estende para muito além disso, mas a Igreja não vai muito longe. É bom, está correto, naturalmente; é uma parte do todo; mas é apenas uma parte. É necessária a visão completa para se chegar até o fim. Oh, as comiserações associadas às vidas de muitos servos do Senhor! Eles chegam a uma paralisação, de poder e influência, limitados, porque sua visão é muito pequena. Não isto verdade?

O que estou dizendo a você? Primeiramente, que se você for até o fim, para servir o Senhor de alguma maneira plena, você precisa que o propósito de Deus a respeito de Seu Filho seja revelado ao seu próprio coração. Você precisa ser capaz de dizer que 'Deus revelou Seu Filho em você', no sentido de que você enxerga não meramente a sua própria libertação do pecado, mas o propósito de Deus em relação ao Seu Filho em quem você está salvo - mas enxerga a coisa maior, a coisa plena. Você é apenas um fragmento nela. Esta é a base do serviço, da vocação; e os próprios apóstolos ficaram restringidos até que fosse revelado a eles a chama completa do significado de Cristo ressurreto e ascendido - a visão do Cristo glorificado e tudo que isto significava no propósito de Deus. Então eles saíram, e nós descobrimos que a mensagem deles era sempre, não o evangelho de Deus concernente à salvação pessoal, mas 'o evangelho de Deus concernente ao Seu Filho', Jesus Cristo. Eles enxergaram não o Jesus histórico, mas o Cristo glorificado de Deus; não apenas O tinham visto como uma visão objetiva, mas o Seu verdadeiro significado tinha sido revelado a eles. Que mudança isto representava em relação aos velhos tempos, quando eles estavam sempre pensando em termos do Messias vindouro que iria estabelecer um reino temporal na terra, com eles mesmos sentados à Sua direita e à Sua esquerda! Eles seriam pessoas notáveis aqui nesta terra; iriam expulsar os romanos de seu país! Esta era a única e plena visão deles - lutando com armas reais, revoltando-se literalmente contra os usurpadores de seu país.

Mas, oh, que vasta mudança quando eles enxergaram o Seu reino! Agora, aquilo que os havia prendido em suas garras simplesmente tinha ido embora. Ver o Seu reino! Jesus tinha dito: 'Em verdade vos digo que alguns há, dos que aqui estão, que não provarão a morte até que vejam vir o Filho do homem no Seu reino'. (Mateus 16:28). O que é o reino? É Cristo, acima de todo governo e autoridade, o centro e o objetivo de todo conselho Divino desde a eternidade. Isto é apenas linguagem, naturalmente - simples palavras; mas o significado precisa ser compreendido. Você precisa ter a visão em seu próprio coração antes que possa ser um servo de Deus que irá chegar bem longe, e você precisa ter visão crescente para que possa chegar até o fim. Volte para Oséias. "O Meu povo está destruído por falta de conhecimento" (Oséias 4:6). O que ele diz mais tarde? "Conheçamos e prossigamos em conhecer o Senhor" (Oséias 6:3). É a visão crescente, progressiva que nos leva até o pleno propósito de Deus. Precisa ser desta maneira - não ficar satisfeito com dois ou três fatos sobre Cristo e a salvação, mas ter os olhos de nosso coração iluminados para conhecê-Lo.

O que estou dizendo, naturalmente, é uma afirmação de fatos. Eu não posso dar nada a você; não posso trazer você para dentro disso; mas posso, creio eu, influenciar um pouco você no sentido de ir ao Senhor e dizer: 'Senhor, se precisares de mim, estou disponível, estou à Sua disposição; mas Tu precisas colocar o fundamento, e abrir os meus olhos, e me dar a visão necessária a qual signifique que eu não apenas saia e pregue coisas sobre Ti'. Algo muito mais do que isso é necessário.

Esta é a primeira coisa, e se aplica a todos nós, não apenas àqueles que estão no que chamam de 'ministério integral'.

A Vocação da Igreja - Expressar o Senhorio de Cristo

Quando chegamos ao Novo Testamento, encontramos a nós mesmos diante de um duplo desenvolvimento. Deus está aqui presente na Pessoa de Seu Filho, Jesus Cristo. Seu nome é Emanuel - 'Deus conosco' - e todos os que Têm a ver com Ele tem a ver com Deus de uma maneira muito pessoal e imediata. Ele declara que o Seu próprio corpo físico é o templo de Deus. Então, através de Sua morte, ressurreição e ascensão, Ele retorna na Pessoa do Espírito Santo e estabelece Sua residência na Igreja, que é o Seu Corpo. As coisas, então, começam a acontecer muito espontaneamente, a partir do mundo das inteligências espirituais - não apenas por causa de certas doutrinas sendo pregadas, mas por causa desta presença Divina.

Há inteligências conscientes por toda a parte, por trás dos homens e das nações, e o conflito começa; não por causa daquilo que o povo de Deus fala, mas porque o povo está lá. Deixe isto ser corporativo e você experimentará a vontade de Deus sobre vocação. Esta não é a dispensação da conversão das nações. Eu me pergunto até se esta é a dispensação da evangelização plena das nações. Nós estamos esperando que o Senhor possa vir algum dia. Metade deste mundo jamais ouviu sobre o nome de Jesus, após dois mil anos. Se o Senhor está voltando à noite, algo tem que acontecer se é para o mundo ser evangelizado antes que Ele venha! Isto não quer dizer parar ou enfraquecer a evangelização. Vamos continuar com ela e fazer tudo o que for possível; mas, lembre-se, o Senhor nos tem dado o Seu significado para esta dispensação. "Este evangelho do reino será pregado no mundo inteiro para testemunho para as nações; e, então, virá o fim". (Mateus 24:14).

Olhe para o seu Novo Testamento. Foi dito: 'Por toda a terra saiu a voz deles, e as suas palavras até aos confins do mundo'. (Romanos 10:18). Foi dito que o mundo inteiro foi tocado. Mas o mundo cresceu muito desde então. O que aconteceu neste tempo? O Senhor plantou núcleos, representações coorporativas de Sua Igreja, primeiramente em uma nação e depois em outra, e por meio da presença deles a luta estourou. A única coisa que Satanás se determinou a fazer foi a de ejetar aquilo que inoculou o seu reino com o Senhorio do Senhor; para expulsá-lo, quebrá-lo, desintegrá-lo de alguma maneira a fim de anulá-lo; fazendo com que uns se voltassem contra os outros, criando divisões - tudo para arruinar, frustrar, destruir a representação deles do absoluto Senhorio do Senhor; neutralizá-lo, expulsá-lo, fazer qualquer coisa para se livrar desta coisa dentro de seu reino. O reino de Satanás tem agido desta maneira, como que para dizer: 'Enquanto esta coisa estiver aqui, jamais estaremos seguros; enquanto esta coisa estiver aqui, nosso reino está dividido, não estará completo: vamos nos livrar deles, a fim de termos o nosso reino sólido'.

O objetivo de Deus é obter dentro das nações uma expressão coorporativa do Senhorio de Seu Filho - ter o Seu lugar lá. Não estou dizendo que não temos que pregar; sim, devemos pregar, testemunhar, testificar; mas a coisa essencial é que o Senhor esteja lá. Há tempos - e isto irá acontecer em muitos servos de Deus - quando você não pode pregar, você não pode fazer nada, apenas permanecer onde está, ficar lá, e as ondas quebrando sobre você. Isto tem acontecido muitas vezes. Antes de ter havido qualquer avanço ou desenvolvimento, tem havido um longo período no qual a única pergunta é: 'Seremos capazes de agüentar, de permanecer firme?' Satanás tem dito: 'Não se eu puder impedir! Você irá desistir se eu puder fazer algo a respeito!'

O assunto todo em questão é o lugar do Senhor entre as nações. Israel foi constituído para isto; a Igreja está constituída para isto. A coisa não pode ser feita sozinha por unidades; ela requer a corporação - os dois ou três; quanto mais melhor, desde que haja o fator que unifica, a unidade, a mesma visão. Se motivos duplos e interesses pessoais entrarem, eles irão arruinar a coisa toda. Está você lutando uma batalha solitária? Você precisa de cooperação, você precisa de ajuda coorporativa para lutar a batalha e se manter firme. Ouça, o inimigo irá expulsar você se ele puder. Pregue se você puder, mas, se não puder, isto não significa que você deva desistir. Até o Senhor dizer: 'Eu não posso fazer mais nada aqui', você deve permanecer aí. Não conhecemos nós os esforços terríveis do inimigo para nos expulsar? Muitos de vocês têm chegado bem longe para saber o que isto significa. Se ele pudesse expulsá-lo, ele o faria.

Mas esta é a visão - aquilo para o qual a Igreja é constituída em relação ao Senhor Jesus: de modo que, considerando o dia vindouro, você se mantenha como uma testemunha desse dia; se mantenha nas nações para um testemunho, 'até que Ele venha' para reinar, e 'o reino do mundo pertence ao nosso Senhor, e de Seu Cristo' (Apo. 11:15); um lugar para os pés até aquele dia; um altar edificado, que testifica: 'Isto pertence ao Senhor: o direito do Senhor está aqui; Ele comprou isto'. Mas você irá encontrar todo tipo de contradição a isto, e cada tipo de ataque do inimigo para tentar provar que o Senhor não tem nada aqui, que Ele não tem nenhum lugar para por os pés e que é melhor você ir embora.

Você entende como é necessário ter visão? Você não pode fazer a coisa por entusiasmo - não irá durar; nem baseado na visão de outra pessoa - isto não irá sustentar você até o fim. Você precisa ser como Paulo e como aqueles que 'resistiram, como que vendo o invisível'; não como quem O viu muito tempo atrás, mas vivendo continuamente à luz daquilo que você tem visto e está vendo - uma luz que é sempre crescente.

A Visão é a Medida da Vocação

Agora, se tudo isto é simples e elementar, é, contudo, básico. Compreende você que a visão do propósito pleno de Deus sobre Seu Filho, revelado em seu próprio coração em seus primórdios, mas agora ficando mais claro e pleno, é a base da vocação? Acredito que nada do que eu tenha dito irá fazer você menos determinado e devoto em todas as simples maneiras de testemunhar sobre a salvação; porém lembre-se do seguinte: para a plenitude você precisa enxergar muito mais do que isto. Você irá até onde a sua visão o levar; portanto, todos nós precisamos daquela oração de Paulo 'que Deus vos dê em seu conhecimento o espírito de sabedoria e de revelação; tendo iluminados os olhos do vosso entendimento, para que saibais qual seja a esperança da sua vocação, e quais as riquezas da glória da sua herança nos santos; e qual a sobreexcelente grandeza do seu poder sobre nós, os que cremos, segundo a operação da força do seu poder', (Efésios 1:17-19).

Esta é a visão. E, então, como está escrito em Isaías 25:7 (A.R.V.): "...E destruirá (lit. consumirá) neste monte a face da cobertura, com que todos os povos andam cobertos, e o véu com que todas as nações se cobrem." O que isto significa - 'este monte?' Que monte? Bem, é Sião. Mas tem este monte literal, Monte Sião, esta rocha eminente em Jerusalém, tem ela sempre sido o instrumento de remoção do véu da face de todos? Naturalmente que não! O que é Sião? Sião, em interpretação espiritual, é aquele povo que está vivendo sob a total Soberania do Senhor. Diz no texto imediato: 'Aniquilará a morte para sempre'. (v.8) É através de Seu triunfo, o triunfo de Sua Cruz e Ressurreição, que Ele vem a nós. 'Chegastes ao monte Sião' (hebreus 12:22). Sião é o território do Seu absoluto Senhorio, e um povo vivendo sob o Seu Senhorio. Então o véu é tirado. O que o Senhor quer aqui, e ali, e acolá, são esses núcleos, essas pequenas companhias de pessoas vivendo no bebefício de Sua vitória, vivendo no benefício de ter Ele derrotado a morte vitoriosamente; e onde eles estiverem as pessoas irão ver; eles serão o instrumento para se tirar o véu da face dos povos. Onde tal companhia é encontrada, lá você vê o Senhor. Quando você entra em contato com essas pessoas, você entra em contato com a realidade.

Assim, o apelo final é que tudo seja ajustado e trazido alinhado com a visão, e a única pergunta para nós é: Estão as pessoas vendo o Senhor? Não é uma questão de se elas estão ouvindo aquilo que temos falado sobre o Senhor - nossa pregação, doutrina, interpretação - mas: Estão elas vendo o Senhor, estão elas sentindo o Senhor, estão elas encontrando o Senhor? Oh, eu não peço a vocês em suas diferentes localidades para se reunirem dois ou três a fim de estudarem certos ensinos da Bíblia; mas eu realmente digo a vocês que peçam ao Senhor para constituí-los coorporativamente naquilo que terá um impacto espiritual, aquilo no qual o Senhor possa ser visto, o Senhor possa ser encontrado; do qual possa ser dito: 'O Senhor está aqui!' Que isso possa ser verdade em nós, onde estejamos.


[ Capítulo precedente ] [ Índice ] [ Capítulo seguinte ]